Como carregar sua bike escada acima com facilidade

Para quem mora em apartamento que não tem elevador, ou que não pode subir com sua magrela dentro dele, sair e  chegar em casa pode se transformar em uma tarefa chata. Carregar sua bike escada acima, dependendo da situação,  pode ser até arriscado, no caso de ter outras coisas junto com você como sacola e mochilas, você pode cair e se machucar. Pensando nisso, em facilitar a vida dessas pessoas, um escritório de design de Óregon, o Walnut, desenvolveu um acessório muito útil feito em couro, chamado Little Lifter.

alça de couro para carregar bicicleta

São alças de couro ajustáveis que você prende no quadro da sua bike que permitem que você suba e desça escadas com mais segurança e conforto. A posição da alça coloca seu punho abaixo do centro de gravidade do seu corpo, fazendo com que você recrute músculos que normalmente usa para levantar coisas, levantando assim, a bike com mais facilidade, segundo o produtor.

alça para carregar bicicleta

Essa belezura ainda não é vendida aqui no Brasil (pelo menos não achamos ainda), apenas em sites gringos.
O Little Lifter  é uma solução criativa e simples para quem não abre mão de usar sua bike como transporte, ainda que tenha que subir alguns lances de escada carregando sua estimada, sem falar que o acessório é bacanudo demais e ainda agrega estilo a sua bike. Não é?

 

 

Viajar de bike: do Chuí à Montevidéu – Parte 2

Fim de semana chegando, logo mais temos o feriadão de Páscoa chegando, vem aquela vontade de fazer algo diferente… Que tal viajar de bike? Para dar uma inspirada e de repente aquele empurrão, seguimos com o relato da cicloviagem do casal aventureiro Aline e Ari, com as histórias do terceiro e quarto dia da cicloviagem no Uruguai.

Terceiro dia: Cabo Polonio – La Paloma

Viejo Lobo HostelApós o café da manhã improvisado, nos despedimos de Luiz, o Viejo Lobo, pegamos acentos na jardineira que nos levaria novamente a estação rodoviária, com a angústia de chegar logo e ver como estavam Thelma e Louise. Ufa, tudo certo com elas, arrumamos a bagagem toda nas meninas e rumamos para La Paloma, nosso destino depois de 57 quilômetros.

Perto do meio dia, estávamos passando por La Pedreira e resolvemos entrar para conhecer, pois as indicações eram sempre favoráveis, e precisávamos providenciar o almoço e a janta, que seria novamente no hostel.

Pierrette e RolandFoi na porta do pequeno supermercado de La Pedreira que encontramos, pela primeira vez, aqueles que seriam nossos companheiros de viagem pelos próximos dias: Pierrette e Roland. Casal de franceses, viajam o mundo sobre uma bicicleta tandem, pelo menos dois meses por ano, a vinte anos! Animadíssimos, tentamos conversar de todas as formas possíveis, pois eles só falavam francês, e nós além do portunhol, só o inglês macarrônico! Mas no final sempre nos entendíamos. Deixamos os franceses em La Pedreira e seguimos para La Paloma, com as compras feitas e o lanche do meio dia feito.

Retas e Retas

Aqui tivemos nossa única surpresa negativa em relação às reservas feitas: quando chegamos ao Serena Blues Hostel em Playa del Arachania, ele estava fechado! Como ainda era cedo, rumamos para La Paloma, passamos no serviço de atendimento ao turista e fomos procurar por um hostel para a noite.

Depois de alguma pesquisa na internet, uma Patricia e um pratão de “papas fritas”, rumamos para o La Balconada Hostel, na praia de Balconada. Jantamos nossa providencial massa com lingüiça e molho de tomate, junto com os vários surfistas brasileiros, alemães e americanos que também estavam no hostel. Dormimos cedo, pois nosso próximo dia nos traria pelo menos duas incógnitas: a Laguna Rocha e no mínimo 90 quilômetros de estrada.
Quarto dia: La Paloma – Punta del Este

La Balconada HostelEste seria o dia em que, se o planejado não desse certo, seria um problemão: teríamos que pedalar 12 km até a Laguna de Rocha, achar uma pescadora (D. Olga) que disseram poderia nos atravessar de barco a tal Laguna e então se tudo desse certo, seguir viagem por mais 80 quilômetros. Caso desse errado, teríamos que voltar os 12 km, fazer uma volta de 30 km circundando a Laguna e daí fazer os outros 80 km restantem ou seja, um pedal de 144 km!!

Seguimos então para a vila de pescadores da Laguna del Rocha, uma linda pedalada com visual incrível! Chegando lá, perguntamos a duas senhoras onde poderíamos encontrar a D. Olga. Nos disseram que ela morava na última casa da vila. Identificamos a casinha branca ano fim da fila e para lá rumamos. Batemos palmas em frente à casa e um senhor veio nos atender. Perguntamos se ali morava a D. Olga, ele confirmou e foi então chamá-la. Lá de dentro veio então ela, que seria o nosso Anjo do dia.

D. OlgaCom 65 anos, D. Olga nasceu neste local e ali vive desde então, sendo pescadora de camarões na Laguna. E quando precisam, ela atravessa os ciclistas em seu pequeno barco, cobrando 100 pesos por pessoa. Thelma e Louise embarcadas, seguimos para o outro lado da Laguna, que durante alguns períodos do ano, quando o volume de água na lagoa não é muita e a maré ajuda, até dá passagem à pé pela praia. Mas como este ano choveu muito em janeiro e fevereiro no Uruguai, a lagoa estava com bastante volume de água e a única forma de atravessarmos seria então com a providencial ajuda de D. Olga (telefone 098801921).

Ferry José IgnácioCom a travessia vencida em 30 agradáveis minutos, ouvindo as histórias da D. Olga, despedimo-nos e colocamos as meninas no areião, pra seguirmos viagem, um trecho de 50 km de estrada de chão, até a Laguna del Garzon, que atravessamos em um pequeno ferry-boat e rumamos para a graciosa vila de José Ignácio.
Após nosso lanche, feito em frente ao farol, seguimos para Punta del Este, nosso destino final do dia, antes passando pela cidade de La Barra e cruzando a famosa Ponte Leonel Vieira, mais conhecida por ponte ondulada.

img_3060-large (1)

Ponte Ondulada – Uruguai

Como iríamos passar em frente a famosa escultura dos Dedos no caminho de nosso hostel, resolvemos parar para uma foto. Que martírio, o local é o ponto mais frequentado de Punta, e principalmente por brasileiros, todos querendo um “recuerdo” onde apareçam sozinhos na foto. Hahaha… nem a pau Juvenal…

DedosEm Punta tiramos um dia de folga, para descansarmos e conhecer a cidade. Bem, não há muito pra se ver, a não ser que se goste muito de ver prédios moderníssimos e mansões, todos irremediavelmente fechados fora da temporada. Até os restaurantes e uma boa parte das lojas também fecham. Bem, tem o Conrad também… e só!

Pierrette e Roland - PuntaAproveitamos nosso dia de folga e fomos novamente a escultura dos Dedos, atrás da tão almejada foto, e quem por lá encontramos? Sim, Pierrette e Roland, os franceses, que não tinham nossa dica da travessia da Laguna Rocha com a D. Olga, e tiveram que fazer os 140 km entre La Paloma e Punta. Estavam exaustos e estavam seguindo para Piriápolis. Fotos daqui, histórias dali, nos despedimos e cada um seguiu seu rumo.

Em breve um último post com os dois dias restantes da viagem… aguardem.

Você pode também pode conferir  o post na íntegra no bloga2.wordpress.com, onde foi postado originalmente.

Pedal Bela na Bike do fim de semana

Fazia um tempinho que nós não pedalávamos juntas, e nesse sábado fomos matar a saudade e comemorar o Dia Internacional da Mulher só nós duas, do nosso jeito, com vento no rosto e sem preocupações. Sabe, a gente já viveu muita coisa juntas, afinal, a gente se atura desde que eu nasci! rs… E essa nossa jornada profissional lado a lado tem agregado cada vez mais coisas boas na nossa relação, e a admiração de uma pela outra só cresce!

pedal bela na bike

pedal bela na bike

Pedal bela na bike

pedal bela na bike

E as roupas? Ahhhh… bem a vontade: regata, shortinho e tênis. Só esquecemos dos capacete, que apesar de não ser item obrigatório é sempre bom se precaver.

Que o Dia da Mulher seja comemorado todos os dias e que tenhamos sempre o respeito e reconhecimento das pessoas que estão ao nosso lado. <3

Picnic de bicicleta

Pinterest

Pinterest

Em Floripa não é muito comum ver pessoas fazendo picnic pela cidade (mas isso já vem mudando, amém!). Na Europa, essa já é uma prática corriqueira. Com verões curtos e ausência de praias, parisienses e londrinos, por exemplo, aproveitam seus momento de folga em seus belíssimos parques em um bom e divertido picnic.
Eu não moro em Paris, mas minha irmã Michelle mora em Londres e faz muito picnic lá nos dias mais quentes. Por aqui, eu e o Ari também adoramos fazer picnic, ainda mais indo de bicicleta!

É normal as pessoas colocarem empecilhos e milhões de obstáculos quando aparece algo diferente. Fazer picnic de carro já não é um hábito comum por aqui, fazer picnic de bicicleta então!? Impossível!

Será mesmo?

Para começar, assista esse vídeo da Laura Pereira Artigos de Viagem:

Viu só? Vai dizer que não dá uma vontade louca de sair para um picnic agora mesmo? Basta se planejar e saber o que levar para não pecar no excesso:

– Dicas do que levar: frutas, pães, queijo de sua preferência, geléias, sucos, café, vinhos ou cerveja… Prefira levar utensílios reutilizáveis (copos de acrílico, talheres, guardanapos de pano) e ao terminar a comilança é colocar tudo de volta no alforje/bolsa e lavar tudo em casa, é mais charmoso e muito mais ecológico né? #menoslixoporfavor. Mas se você não abre mão dos descartáveis, cuide para que tudo seja recolhido e descartado no devido lugar.

pic nic de bicicleta

– Dicas de lugares para picnic em Floripa: Avenida Beiramar Norte, Parque Natural do Morro da Cruz, Parque de Coqueiros, Parque Florestal do Córrego Grande, Via Gastronômica de Sambaqui, Lagoa da Conceição ou ainda qualquer uma das 42 praias dessa ilha maravilhosa…

pic nic de bicicleta

Os produtos que aparecem no vídeo são da Laura Pereira, que é designer aqui de Floripa e se dedica a fazer artigos de viagens. Laura, faz com que todos os produtos sejam pensados especialmente para o trânsito, tornando a arte de viajar mais confortável. Para isso, reúne simplicidade, praticidade e beleza valorizando as pessoas e o ambiente.

No mercado você já encontra uma infinidade de acessórios e alforges para levar suas coisas na bicicleta, basta escolher o que mais se adapta ao seu estilo de vida. Mochilas também servem, mas eu considero um pouco desconfortável se o trajeto da pedalada for mais longo.

O importante é você aproveitar mais  a cidade, ao ar livre, com autonomia e sem frescura!

😉

Belos na Bike – Homens estilosos de bikes

Postamos semanalmente aqui no blog sobre mulheres, moda e bicicletas. Preparamos nosso conteúdo com a intenção de inspirar mais e mais mulheres a usar a bicicleta no seu dia a dia, mas sabemos que nosso público não é exclusivamente feminino. Boa parte das pessoas que nos acompanham são homens, e por isso estamos sempre procurando diversificar os tipos de postagens.

Pois bem, hoje nosso post é dedicado aos Belos na Bike, é basicamente um mural de inspiração com homens estilosos de bike. Mas meninas, fiquem a vontade para admirar as imagens… heheheh.

Encontrado em flickr.com

Pinterest

Encontrado em facebook.com

Pinterest

Encontrado em willandwild.com

Encontrado em willandwild.com

Encontrado em lookastic.com

Encontrado em lookastic.com

Encontrado em mensfashionworld.tumblr.com

Encontrado em mensfashionworld.tumblr.com

Encontrado em itnoft.blogspot.com

Encontrado em itnoft.blogspot.com

Encontrado em theviewfinder.nl

Encontrado em theviewfinder.nl

83b9dc194656d869361979a05b67e52c

Pinterest

Encontrado em lifestyleoftheunemployed.com

Encontrado em lifestyleoftheunemployed.com

Homem não tem muito (ou nenhum) grilo para pedalar com roupas normais né? Nas imagens tem bicicleteiros de todos os estilos… Você se identifica com algum? Você já anda de bike pela sua cidade assim cheio de estilo? Mostra pra nós entao! Envie uma foto sua para gente colocar aqui no blog e mostrar pra todo mundo que não é só europeu que tem estilo para pedalar. 😉

A Bela na Bike de Fevereiro

Hoje vamos trazer mais uma Bela na Bike pra mostrar pra vocês como é possível usar a bicicleta no dia-a-dia sem deixar o estilo de lado.

A nossa Bela na Bike de fevereiro é a Viviane Lenzi da Rocha, nos conhecemos nos pedais em grupos, um encanto de pessoa e super poderosa no pedal!

O esposo dela, o Julio Fernandes é organizador do Pedal de Quinta, que todas as quintas-feiras leva uma galera para pedalar por muitos locais maravilhosos da nossa Floripa e a Viviane o acompanha logicamente, além de usar a bicicleta pra ir ao trabalho e como ela mesma menciona pra quase tudo na vida.

Qual sua idade e profissão?

42 anos – Administradora

Qual o espaço que a bicicleta ocupa no seu estilo de vida? 

Todos os espaços… Hoje é meu meio de transporte, lazer e esporte.

Conte de forma breve, como a bicicleta conquistou espaço na sua rotina?

Tudo começou com a chegada de um novo amor… O Julio (hoje meu marido) me convenceu a comprar uma bicicleta para pedalarmos juntos, ele foi atleta durante anos e já pedalava muito. Eu era bem reticente, não tinha certeza de que ia gostar. Mas a medida que comecei a pedalar a paixão tomou conta e aos poucos fui trocando os passeios de carro por longas pedaladas nos fins de semana e logo troquei o stress de dirigir em Floripa pelo prazer em me deslocar ao trabalho.

Quais foram os benefícios que o uso frequente da bicicleta trouxe para você?

Sou uma pessoa que tem uma baita TPM e a atividade física sempre ajudou no equilibrio. Como sou um pouco gulosa, o uso da bicicleta me ajuda à  manter o peso e a forma.

Você costuma se preocupar com seu visual na hora de pedalar?

Não sou uma pessoa muito preocupada com o visual, tenho uma maior preocupação com o conforto, mas claro que como sou mulher, sempre tem uma vaidade rolando. Mas no trabalho tem dias que necessito de estar mais arrumada.

Quais suas maiores dificuldades na hora de se vestir para ir de bicicleta nas atividades de rotina?

Como sou uma pessoa mais “estabanada” não faço uso de vestido na bike, mas fora isso não tenho grandes dificuldades.

Quais as maiores dificuldades que você encontra no seu dia-a-dia de ciclista?

Acho que a principal dificuldade é a falta de respeito ao ciclista. Quando as pessoas entendem que o ciclista faz parte do trânsito tudo flui tranquilamente, mesmo sem ciclovias.

Você teria algum truque/dica para ensinar a mulheres que estão começando a pedalar agora?

Acho que uma boa dica é buscar pessoas que já pedalam pra ter uma companhia inicial, sejam nos grupos de pedal, no trabalho ou pedir ajuda de um  bike anjo. Também é interessante saber qual a altura do banco (selim) deve ser adequada para cada sapato. Muitas vezes a gente adequa a altura e depois usa um sapato com plataforma ou uma rasteirinha e acaba ficando com a perna muito dobrada ou muito esticada.

Que mudanças você gostaria de ver na sua cidade para que a rotina dos ciclistas se tornasse mais tranquila e segura?

Criação de mais ciclovias e educação dos motorista no trânsito para que todos convivam em harmonia.

IMG_9565 (1)

 

E aí gente, a Viviane é ou não uma inspiração?

Viviane, muuuito obrigada por contar um pouquinho da sua história! 😉

4 Acessórios legais para bicicleta

Conforme a bicicleta vai ganhando espaço nas ruas, fazendo parte do cotidiano das pessoas, vão surgindo acessórios legais para bicicleta, diferentes dos convencionais. As pessoas começam a querer personalizar suas bikes, colocar a suas personalidades nelas e torná-las mais divertidas.

Se você é uma dessas pessoas dá uma olhada nestes acessórios que listamos abaixo:

1- Iluminação: para evitar acidentes é essencial que você tenha seu trajeto iluminado e que seja visto. A vantagem desse modelo de lanterna é que ele pode ser facilmente fixado tanto no guidão, como no seu capacete ou no selim da bicicleta, além de ter um design bem bacana.

lanternas

Lanternas Attitude – Netshoes

2. Cestinhas: ótimas para transportar sua bolsa durante a pedalada, fáceis de instalar e ainda contribuem para embelezar sua bike.

cestos

Cestinhas Attitude – Centauro

3. Buzinas: Indispensáveis para chamar a atenção de pedestres, e outros ciclistas também, para a sua presença. Mas estas, apesar de serem modelo infantil, adicionam fofura aos seus momentos com a bike.

buzinas

Buzinas de bichinhos (essas são infantis, mas pra quem gosta de uma fofurinha ta valendo!) – Centauro

4. Capacetes: capacetes não são itens obrigatórios por lei, mas além de lhe dar segurança, estes também são garantia de estilo.

capacetes

Capacetes Nutcase (Americanas) e Prowell (Centauro)

Como alguns desses são itens de segurança considerados obrigatórios, então porque não andar dentro da linha e cheia de estilo?

😉

 

seal

 

 

 

A Bela na Bike de Janeiro

Mais um dia de compartilhar a história de uma bela para inspirar vocês (por mais que o calor tente nos convencer a deixar a bicicleta em casa!) a usar mais a bicicleta no seu dia a dia.
A bela na bike de Janeiro é  a Cláudia Schmittt, nos conhecemos nos grupos de pedal aqui em Floripa, e ela pedala muitooo!

Qual sua idade?

31 anos

Qual o espaço que a bicicleta ocupa no seu estilo de vida? (Esporte, lazer, transporte)

Tenho a bike como forma de esporte (MTB) e lazer/transporte (modelo monareta). Como esporte, pratico em quilometragem maior, com velocidade superior ao passeio, pois se limita a treinos.
Por sua vez, como lazer e transporte, em função de estar próximo de pedestres e outras pessoas pedalando, ou de patins e skate, sigo em ritmo tranqüilo. Ideal para você ir ao supermercado, farmácias, padarias e cursos. Uso a minha para ir até a aula de inglês.

Conte de forma breve, com a bicicleta conquistou espaço na sua rotina?

Engraçado como me apaixonei rapidamente pela Bicicleta. Pedalava muito quando criança, depois, com a faculdade e estágios, não tinha mais tempo. Ano passado, quando resolvi fazer um pedal, encontrei um grupo pedalando e peguei informações sobre o mesmo. DE lá para cá não larguei mais, até abandonei as aulas de tênis por não ter tempo livre para esta aula, pois a bike me consumia os dias de forma muito prazerosa. O bacana disso tudo é que se tem grupos todos os dias e para todos os níveis, tanto na Ilha quanto no Continente. Então, para aqueles que ainda têm certo medo, super aconselho pedalar em grupos.

Quais foram os benefícios que o uso frequente da bicicleta trouxe para você?

A bike traz diversos benefícios. Mais disposição, mais leveza, paz e tranqüilidade, além da sensação de liberdade e de poder sempre ir mais longe. Melhora o condicionamento físico e a parte cardíaca.Você acaba superando algumas dificuldades, driblando alguns medos e na expectativa por novos desafios. Sem falar nos novos amigos que acabamos adquirindo.

Você costuma se preocupar com seu visual na hora de pedalar?

Como toda mulher, sim. Usar roupas confortáveis, leves e frescas são essenciais, tentando estar sempre bem vestida, mantendo a feminilidade.

Quais suas maiores dificuldades na hora de se vestir para ir de bicicleta nas atividades de rotina?

Encontrar roupas leves e confortáveis, pois como você estará sentada movimentando as pernas, um short mais justo pode causar incômodos, uma calça mais solta pode prender no pedal e uma saia mais curta pode causar constrangimentos, principalmente em Fpolis, onde volta e meia se tem vento sul.

 Quais são as maiores dificuldades que você encontra no seu dia-a‐dia de ciclista?

Falta de ciclovias em determinados locais e conscientização de outros ciclistas que não conhecem as regras, além de motoristas despreparados.

 Você teria algum truque/dica pra ensinar a mulheres que estão começando a pedalar agora?

Aconselho a pedalar cada uma no seu ritmo para não cansar logo e acabar desmotivada. Coloque uma roupa leve, de material com ótima transpiração, e curta a natureza ao seu redor. Você se sentirá muito mais disposta depois, com energia renovada. Para aquelas que tiverem a oportunidade de pedalar em grupo, aconselho entrar em um, para pegar a segurança inicial, as dicas e conhecer novas rotas, isso faz muita diferença.

Que mudanças você gostaria de ver na sua cidade para que a rotina dos ciclista se tornasse mais tranquila e segura?

Ciclovias sinalizadas e bem feitas, sem obstáculos pelo caminho, além de maior divulgação/propaganda informando das leis/regras para ciclistas e motoristas, com o intuito de conscientizar o cidadão.

10734023_835312249847072_285686891008281202_n

 

Claudia, muito obrigada por compartilhar conosco um pouquinho do seu cotidiano com a bicicleta e nos mostrar como é possível sim, usar a bicicleta na nossa cidade com estilo e feminilidade.

😉

 

 

5 Sinais de intenções para ciclistas

Você sabia que é necessário indicar aos motoristas suas intenções enquanto estiver pedalando nas ruas junto aos carros? Pois bem, assim como nem todos os ciclistas sabem da existência e da necessidade de usar esses sinais, os motoristas também não. Então confira, aprenda e compartilhe com os ciclistas e motoristas que você conhece os 5 sinais de intenções para ciclistas:

1. Dobrar à esquerda: antes da conversão estique seu braço esquerdo, com a palma da mão virada para frente, para indicar que logo a frente você irá virar à esquerda.

2. Dobrar à direita: da mesma maneira como foi citado acima, estique seu braço direito, com a palma virada para a frente para indicar que você vai converter à direita.

3. Atenção, parando!: com antecedência, apenas levante seu braço esquerdo com a palma da mão também virada para a frente.

4. Atenção! Obstáculos/problemas a frente: na existência de algum buraco ou obstáculo a sua frente, estique o braço esquerdo para baixo, ao lado do corpo mas ligeiramente afastado dele, com a palma da mão virada para trás abrindo e fechando.

5. Seguindo em frente no cruzamento: sempre que  você for seguir em frente em um cruzamento, você deve erguer seu braço esquerdo na altura dos ombros, dobrado a 90° , a palma da mão para dentro, movimentando-o pra frente indicando o sentido que você vai.

10933159_737529596315829_1829550494_n

 

 

Por mais que a maioria dos motoristas não saibam o que significa cada sinal desses, use! Pois mesmo não entendendo, devido aos movimentos, eles ficarão atentos a você e esperar sua próxima ação antes de seguir e ultrapassar você.

Camiseta Eu Pedalo Floripa

Na semana passada fizemos uma promoção no Instagram dando uma camiseta Eu Pedalo Floripa, da  Bela na Bike de presente. Viram que agora tem opção da camiseta em cores diferentes?

Além da camiseta branca, tem também preta e cinza mescla. Além disso, as camisetas femininas (baby look) possuem a opção da bike na cor rosa. Curtiu?

Dá uma conferida na Loja Virtual da marca.

Se desejar pode adquirir diretamente conosco no centro é só entrar em contato pelo e-mail ciclomovimento@gmail.com ou pelo whatsapp no 48-96501000.

É uma ótima opção de presente para aquele amigo secreto do grupo de pedal!

tshirt eu pedalo