Camisetas para quem curte bicicletas – Novas estampas

Quem nos acompanha há algum tempo, ou já entrou na nossa loja virtual,  já deve ter visto aqui no blog que fizemos camisetas para quem curte bicicletas em Floripa, quem não conhece ainda pode ver nesse link. As camisetas “Eu Pedalo Floripa” são um sucesso, quem gosta mesmo de bike, quer mostrar isso até mesmo quando não está em cima de uma, certo?
Pensando nisso criamos novas estampas e modelos de camisetas para quem curte bicicletas! Desta vez, além da estampa, trouxemos também modelagens mais femininas pensando nas bravas mulheres que enfrentam suas cidades em cima de duas rodas e se orgulham muito disso. Espia só:

Camiseta Bike

Camiseta básica Bike To Work

Camiseta Bike

Camiseta feminina Life is a beautiful ride

 

Camiseta Bike

Regata feminina Bike To Work

 

Camiseta Bike

Regata feminina Life is a bab

Baby looks e regatinhas pra elas e camiseta tradicional pra eles. 😉

Curtiu? Acesse a loja virtual ou se você é de Florianópolis também pode entrar em contato pelo telefone/whatsapp (48) 96501000.

 

Bela na Bike do mês de Julho

Apresentar mulheres que encaram o dia-a-dia de bike, provando que é possível ser linda pedalando, enche o nosso coração de orgulho!!

E quem vem embelezar nosso site esse mês como a Bela na Bike do mês de julho é a Ana, que além de pedalar em grupos noturnos (foi assim que a conheci, pedalando com o grupo Duas Rodas), acompanhar o seu amado em pedais longos de final de semana, cicloviagens e trilhas, ela também pedala pra ir ao trabalho. Ela é demais, não é?

Ah, e só para constar: a Ana pedala 22 km pra chegar ao trabalho e mais 22 km pra voltar pra casa, e nesse percurso está incluído o Morro da Lagoa, que para quem não conhece Floripa é uma montanha de aproximadamente 200m de altimetria! É muita admiração por essa moça!!

A Ana é tão meiga e querida, que à primeira vista ninguém imagina o quanto ela acelera no pedal até vê-la em ação!

ANA SANTOS (3)

Foto: Felipe Munhoz

1. Qual sua idade e profissão?

Tenho 38 anos e sou administradora.

2. Qual o espaço que a bicicleta ocupa no seu estilo de vida? (Esporte, lazer, transporte)

Uso em diversas situações, para ir trabalhar, para ir ao mercado e como atividade de lazer, costumo pedalar com grupos de ciclistas. No verão, nada melhor que ir à praia de bike e voltar tranquila enquanto o trânsito está parado.

3. Conte de forma breve, como a bicicleta conquistou espaço na sua rotina?

A rotina de usar a bicicleta no dia a dia começou com a vontade de tornar o caminho para o trabalho mais prazeroso. Já utilizava a bicicleta, como disse anteriormente para lazer, o que ajudou a acrescentar a bici também para ir ao trabalho.

4. Quais foram os benefícios que o uso frequente da bicicleta trouxe para você?

O bom humor é um dos principais benefícios, o dia já começa animado, sem precisar se preocupar com as condições do trânsito e sem stress. É também uma boa forma de otimizar o tempo, pois é uma ótima atividade física, e contribui também para a saúde.

5. Você costuma se preocupar com seu visual na hora de pedalar?

Tento sempre sair arrumada, e pronta para o trabalho, desta forma não preciso me trocar quando chego. Ainda assim, dou uma passada no banheiro, para os retoques finais na maquiagem e no cabelo.

6. Quais suas maiores dificuldades na hora de se vestir para ir de bicicleta nas atividades de rotina?

Ainda não consigo utilizar todos os tipos de roupas que gostaria, mas é uma evolução diária, aos poucos tenho experimentado algumas novidades. Outro pequeno incômodo devido a longa distância é o suor, que às vezes incomoda um pouco. Mas fazendo algumas paradas no caminho, e utilizando lenços umedecidos na chegada, é perfeitamente possível contornar isso.

7. Quais as maiores dificuldades que você encontra no seu dia-a-dia de ciclista?

A falta de ciclovias no meu trajeto é sem dúvida, um dos maiores problemas que enfrento. Alguns trechos inclusive, preciso percorrer distâncias maiores, para evitar as rodovias com velocidade muito alta e pouco acostamento. Torço muito que isso melhore daqui pra frente, mas de qualquer forma, isso não me impede de ir pedalando.

8. Você teria algum truque/dica para ensinar a mulheres que estão começando a pedalar agora?

Onde trabalho infelizmente não tem chuveiro para tomar banho, então já experimentei alguns truques no cabelo. O que mais dá resultado é sair de casa com o cabelo já molhado e utilizar um lenço ou bandana na cabeça, o que permite chegar ao trabalho com o cabelo ainda úmido, e assim fazer os ajustes finais. Outra opção para utilizar no cabelo, sem precisar molhar é o talco, pois ele tira a oleosidade do cabelo. Basta espalhar um pouco na raiz dos cabelos e depois passar a escova até que o branco do talco suma.

9. Que mudanças você gostaria de ver na sua cidade para que a rotina dos ciclistas se tornasse mais tranquila e segura?

Mais infraestrutura cicloviária seria fundamental, mas enquanto isso não chega, precisamos compartilhar os nossos caminhos com todos, e o respeito mútuo é fundamental!

Foto: Felipe Munhoz

Foto: Felipe Munhoz

Ana, muuuito obrigada por compartilhar sua história conosco!

E você aí do outro lado da tela?

Se inspirou? Reflita, tente e surpreenda-se, você também pode!!

 

 

5 Dicas Preciosas de Manutenção na Bike

Bicicleta boa é aquela que a gente pega e sai andando com ela sem fazer barulho, sem ranger, sem estalos, com câmbio regulado, freando bem e rodando solta, leve.  Enquanto ela é novinha, recém comprada é bem fácil, mas como conseguir manter isso na bicicleta depois de um tempo de uso? Nosso conselho é de que você faça regularmente uma manutenção na bike. Leve sua bicicleta para fazer revisão numa bicicletaria de confiança, verificar troca de pastilhas de freio, corrente ou outras peças que com o tempo  desgastam. De quando em quando? Vai depender da frequência que você a utiliza, então é bom sempre estar atento.

manutenção de bike

imagem: grupodabike.blogspot.com.br

Mas tem alguns cuidados que você pode tomar em casa regularmente, que ajudam a manter sua bicicleta bacana por um bom tempo, evitando desgastes muito rápidos das peças e aqueles barulhos indesejáveis, veja:

1 – Pneus sempre calibrados – importantíssimo! Já vi gente achando que a bicicleta estava ruim, parecendo que carregava um caminhão enquanto pedalava, quando só precisava calibrar os pneus. Mas qual a pressão que se coloca? Observe no próprio pneu, ele vai dizer a pressão máxima, recomenda-se  colocar no máximo  até 10% abaixo do recomendado, nunca a pressão máxima indicada . Pode calibrar no posto de gasolina mesmo, ou se for usar bomba de encher pneu que não tenha indicador de psi, encha até sentir que o pneu está duro o suficiente para você não conseguir apertá-lo com os dedos.

2 – Manter a bicicleta limpa –  passar um pano úmido sempre que você volta da rua é básico. Caso ela esteja com muita areia ou barro na corrente, deixe secar e retire essa sujeira com uma escovinha de dentes. Se ainda ficar acumulado, use um pincel embebido em querosene para limpar essa área. Já ouvi dizerem para evitar jatos de água para lavar a bicicleta, mas confesso que quando volto daqueles pedais off road, com muita areia, barro ou maresia gosto de dar banho de mangueira na minha bichinha e nunca tive problema por isso. Só não jogo jato de água nos cubos e movimento central e jamais use lavadora de pressão!

3 – Lubrificar –  Depois da bicicleta limpa e seca, lubrificar a corrente com óleo seco vendido em bicicletarias (não usar WD-40 que é desengordurante, use o óleo lubrificante seco.). Ou mesmo quando a corrente começa a ranger, colocar uma gota de óleo em cada elo da corrente girando o pedal para trás lentamente, cuidando para não respingar óleo nos freios e retirando o excesso de óleo segurando um pano limpo abaixo da corrente e girando novamente o pedal para trás.

4 – Checagem dos freios – faça uma checagem periódica dos freios (sempre que for sair com a bicicleta). Aperte com força separadamente o freio dianteiro e o traseiro. Se ao frear a bicicleta continuar deslizando mesmo que levemente, há que trocar as sapatas se for freios V-Brake  ou regular as pastilhas girando-as muito delicadamente se for freios a disco. Caso não seja mais possível girar as pastilhas para regulagem, corra numa bicicletaria para trocar as pastilhas por novas.O mesmo deve ser feito no caso das sapatas do freio V-brake estarem desgastadas. Ah, e não tente regular os freios depois de uma descida longa, elas estarão quentes a ponto de fritar sua pele.

5 – Checagem dos cabos de freios e câmbio – observe sempre se há algum cabo de freios ou câmbio descascando. Se isso ocorrer, leve sua bicicleta imediatamente a uma bicicletaria para troca dos cabos.

Com esses cuidados você consegue manter sua bike sempre pronta pra usar e também perceber com mais agilidade a necessidade de trocar alguma peça ou levar para a revisão.
Para os interessados em saber mais sobre mecânica de bike, reformas, pneus , acessórios e ferramentas, há um ebook completo sobre o assunto, o Curso Bicicleteiros do Brasil, escrito pelo Cabral Veríssimo, disponibiliza até certificado para quem tem interesse em trabalhar na área. E para quem só quer aprender a cuida da sua mesmo, é um excelente guia. Saiba mais aqui.

😉

6 Dicas para pedais de longa duração

Vocês já imaginaram passar 4, 5 ou mais horas pedalando por aí?

IMG_7327

Hoje vamos te dar dicas de como fazer um pedal longo sem voltar pra casa um morto-vivo ou arrependido da aventura.

1 – PLANEJAMENTO – Antes de mais nada ele precisa ser planejado ok? Não dá pra sair pra fazer 15km e de repente mudar de idéia e fazer na sorte 115km, pode ser traumatizante. Planeje o roteiro, veja se tem muitas subidas, se elas são isoladas em uma parte do trajeto e em todo ele (preparar o psicológico para possíveis perrengues é uma ótima dica!) busque companhia e abasteça-se do que vai precisar durante o trajeto.

2 – RESISTÊNCIA FÍSICA – Não aventure-se a percorrer 90km de uma vez se você só está acostumado a pedalar 9 km diariamente pra ir ao trabalho. Treine seu corpo, pedale ao menos 3 vezes na semana regularmente e escolha um dia da semana para ir aumentando as distâncias progressivamente. Isso também vai proporcionar que você acostume a sua bunda a ficar tanto tempo em contato com o selim (banco da bicicleta). Por ser o maior ponto de contato do seu corpo com a bike, é ela (a bunda) quem vai te fazer sofrer mais se a região não estiver acostumada, ou como chamamos:calejada. A escolha de um bom selim também ajuda, o blog Pedal Glamour já escreveu um super post sobre o assunto e a gente recomenda a leitura.

3 – CONFORTO – Ainda sobre bundas, selins e assaduras: não use calcinhas ou cuecas por baixo da roupa de ciclismo, isso vai lhe trazer um conforto muito maior durante o  pedal longo, acredite. Faça o teste e depois nos conte! As bermudas/calças de ciclismo possuem aquela proteção de espuma que são feitas pra isso, pra usar sem nada por baixo, depois você dá aquela lavada caprichada quando chegar em casa e voilá! Tá nova!

4 – PORTEÇÃO SOLAR – No inverno a gente já anda de blusa comprida e calças que protegem bastante, mas nas outras estações do ano, sofremos muito com o sol na nossa pele, o sol forte e constante desidrata mais rapidamente e desgasta mais resultando inclusive em perda de rendimento, força. Além do filtro solar, indicamos usar uma camisa dryfit de cor clara, ela ajuda muito a manter sua pele protegida e mais fresca. Nas pernas, não vemos muito problema em pegar sol, só reaplique o filtro solar com frequência porque com o suor ele sai. E se o seu capacete não tiver aba protetora, leve um boné/chapéu para proteger melhor o rosto, evita de ficar com a marca das tiras do capacete nas bochechas.

5 – HIDRATAÇÃO – importantíssimo! Não fique mais de 20 minutos sem beber água. Esteja preparado com água suficiente para o trajeto, e se passar por algum bar/posto/lanchonete, compre água e reponha na sua caramanhola (garrafinha de água/squeeze). Se for pedalar em locais mais rurais ou despovoados, leve pastilhas de purificação de água (geralmente na Decathlon tem, ou lojas de artigos para trekking), assim você pega água nos rios e pode beber sem preocupação de estar ingerindo água imprópria para consumo humano.  E pedalar sem água não dá! Outra dica: para mantê-la fresca por mais tempo, um dia antes coloque água na caramanhola até a metade e deixe no freezer até a manhã seguinte. Antes de sair complete com a água gelada e pronto! Ela vai descongelando durante o dia e você tem sempre água geladinha pra beber!

6 – ALIMENTAÇÃO – leve algo para beliscar nas paradas durante o trajeto, pois ficar muito tempo pedalando sem comer vai te deixar mais fraco e cansado. Sugestões: mix de sementes e frutas secas, paçoquinhas de amendoim (adoro!), frutas frescas ou até um sanduíche caprichado feito em casa e levado no alforje ou bolsa. Isotônicos também são uma ótima opção para reposição de minerais  e o gel de carboidrato a cada 1 hora também dá uma boa energia para manter-se bem.

Então agora é planejar o próximo pedal e sair pra conhecer novos lugares, aproveitar cada vez mais!

 

Pedalar a dois: amor e parceria.

Dias dos namorados está batendo na porta para alegria de uns e desespero de outros. Neste dia alguns esperam ansiosamente para encontrar seu amor, fazer um programa especial, trocar presentes e ouvir juras de amor eterno. Outros não vêem a hora do dia acabar e passam longe do Facebook, que vibra com tantos corações na timeline. Uns adoram este dia, outros odeiam (talvez por sentirem uma pressão invisível, mas que se sente na pele, para estar com alguém nesse dia), e tem aqueles que não se importam.
Mas hoje queremos mesmo é aproveitar todo esse amor que está no ar para falar de relacionamento e parceria.Em uma época em que supervalorização das aparências é a tendência da vez, onde a grande maioria é feliz no Instagram e vazia na vida real, muitas pessoas se esquecem quais são os verdadeiros motivos para se estar ao lado de outra pessoa. Estar com alguém é questão de escolha. E na hora de escolher ficar, parceria é fundamental!
Ter alguém que caminha (ou pedala! :D) ao seu lado e te mostra que você não precisa encarar o mundo sozinha é sensacional!
Ser parceiro é deixar de olhar para seu próprio umbigo, colocar de lado um pouco o que é importante para si mesmo, para enxergar as necessidades do outro. É saber que mesmo nos seus piores dias, esta pessoa não vai te dar as costas e sair pela porta, ela vai respirar fundo e esperar a tormenta passar. É deixar de lado crenças e paradigmas e estar aberto a experimentar novas coisas, enfrentar novos desafios e projetos por outra pessoa. E quando tudo isso não significar sacrifício, então encontramos um parceiro de vida, o amor na sua melhor forma.
Foi seguindo essa fórmula: amor + parceria, que vim parar no ciclismo. Como eu já contei aqui, voltei a pedalar por influência do meu esposo, e desde então a gente sempre pedala juntos, ou sempre que as agendas coincidem. Muitas vezes é preciso  se esforçar pra conseguir chegar a tempo no pedal, ou deixar de fazer algo pra poder pedalar. Costumamos já reservar os dias da semana em que tem pedal pra não ter desculpa, é compromisso nosso, meu com ele e nosso com a saúde.
Pedalar a dois nos permite sair da rotina, fugir dos compromissos tradicionais e há algum tempo nos motiva a criar novas experiências que antes não pensávamos em fazer, como as cicloviagens e passeios. Estamos sempre planejando um lugar novo pra ir de bicicleta, ou quando vamos visitar parentes, viajar de férias, sempre pensamos como incluir a bicicleta no roteiro.
O fato de lidar com a mecânica da bicicleta, ajustar o condicionamento fisco de cada um e as preferências quando pedalamos, nos permitiu uma parceria ainda maior do que já tínhamos enquanto casal, além de aumentar nossa cumplicidade.
Um dá apoio ao outro nas dificuldades, vibra junto nas vitórias, elogia, critica, dá palpite… Enfim, é quase uma terapia de casal, só que muito mais divertida e espontânea!! 😀

pedalar a dois

Aline e Ari

Além de tudo isso, pedalar nos trouxe novos amigos, novos assuntos, novos horizontes!! Não posso dizer que funciona pra todos os casais, mas pra nós só aumentou a conexão…

Pedalar a dois

Aline e Ari

E também conheço solteiros que viraram casais depois que começaram a pedalar! Sim, porque os pedais também rendem outros encontros e eventos, uma troca de palavras aqui e ali, e assim as pessoas vão se descobrindo, se conhecendo e…  (Que não é o caso da foto abaixo, tá?)

Pedalar a dois

Michelle e Thiago

Leve seu amor para pedalar neste dia dos namorados… Quem pedala (a dois) é mais feliz! Muito a mor e muita parceria para todos, e não só no dia dos namorados, nos outros 364 dias do ano também… 😀

 

Colaboração: Michelle Maria Mafra

 

 

7 razões para usar mais a bicicleta

7 razoes para pedalar

A verdade é que existem muito mais do que 7 razões para usar mais a bicicleta no seu dia a dia. Os benefícios são inúmeros e interferem tanto no seu bolso quanto no seu relacionamento com sua família, duvida? Então confira apenas 7 motivos e nos diga se concorda ou não:

1. Melhora sua saúde: só este item já valeria o investimento em uma bicicleta, os itens seguintes podem ser até considerados bônus! Andar de bicicleta, além de gastar calorias e promover o bem estar, é uma atividade física que melhora o sistema cardio-respiratório prevenindo doenças cardíacas e avcs, controla o diabetes, ajuda a equilibrar a pressão arterial, diminui o nível de triglicérides e ainda ajuda a prevenir doenças como obesidade e colesterol alto.

2. Você economiza tempo: de uns anos para cá tem se tornado “normal” filas e mais filas nos horários de pico em que as pessoas estão se deslocando para o trabalho e logo mais para suas casas. As pessoas se acostumam com o trânsito caótico e vão saindo cada vez mais cedo de casa para chegarem a tempo ao seu destino, ou no fim do dia, dando mais um tempo no trabalho para evitar o congestionamento… Gente, alô… isso perda de vida! Você não perde só uns minutos de sono a mais, você perde a oportunidade de tomar café junto com sua família, você perde de participar mais da vida dos seus filhos, você perde um tempo que poderia estar fazendo um esporte ou alguma coisa que lhe dá prazer, ler um livro, passear no parque, ir ao cinema, estar com quem se ama, etc. Há coisas na vida que não voltam mais, e perder parte delas preso no trânsito é desperdício.

3. Você economiza dinheiro: a começar pelo custo da própria bicicleta. O valor de uma boa bicicleta nova não chega nem perto de um décimo do valor de um carro popular novo 0km. A manutenção de uma bicicleta é de baixíssimo custo, nem se compara as revisões periódicas de um carro, mais licenciamento, ipva, seguro, troca de óleo e gasolina, bicicletas normalmente são movidas a arroz e feijão. Estacionamento também é algo a ser considerado já que está cada vez mais raro conseguir vaga nas ruas para estacionar. Quanta economia hein?

4. Contribui para o meio ambiente: usando a bicicleta para se locomover você diminui consideravelmente a emissão de CO2 na atmosfera, economiza a água que usaria para lavar um carro inteiro e também passa a produzir menos lixo com a manutenção de um carro.

5. Alivia o estresse: quem é praticante de atividade física conta com um relaxamento muscular e mental provocado pela liberação da endorfina durante o exercício, é isso que acontece quando você pedala, você chega mais relaxado e de bom humor nos lugares. Sem falar na alegria que dá quando você continua avançando enquanto vê uma fila imensa de carros paradinhos.

6. Você faz amigos: uma das primeiras coisas que percebemos quando começamos a pedalar é que os demais ciclistas te cumprimentam nas ruas, sem conhecer você. Não sei se é pelo simples fato de estar pedalando ou por ficar feliz em ver outras pessoas compartilhando do mesmo estilo de vida. Enfim, o fato é que pessoas que pedalam com frequência são mais amigáveis, e quando você começa a pedalar em grupo isso fica ainda mais evidente, todos querem se ajudar e trocar experiências.

7. Ajuda a te deixar em forma: o primeiro item falava dos benefícios da bicicleta para a saúde, mas além de atuar na prevenção de doenças, pedalar também pode lhe proporcionar um corpo atlético se for combinado com uma dieta equilibrada. A bicicleta pode se transformar em uma academia ao ar livre, com ela você pode queimar calorias, perder gordura corporal, ganhar massa muscular, melhorar seu condicionamento respiratório além de ganhar pernas e panturrilhas invejáveis!

Tomar a iniciativa e começar a pedalar é a parte mais difícil, pode acreditar. Depois que os benefícios aparecem fica difícil é parar! Vamos pedalar mais?

Roupa para pedalar no dia a dia

Escolher roupa para pedalar é sempre algo que toma certo tempo para quem usa a bike como meio de transporte. Tem que pensar se vai ser confortável, se vai estar calor, se o sol vai queimar, se vamos transpirar a ponto de precisar levar outra roupa por segurança, se vamos sentir frio, se vai chover, se vai aparecer algo que não deve… Enfim, uma série de coisas.
Mas tão importante quanto o trajeto é chegada ao destino. Com que roupa ir? Já falamos aqui sobre tecidos e modelagens, aqui e aqui sobre usar saias e vestidos, mas ainda não falamos sobre uma modelagem que agrada boa parte das mulheres na hora de subir na bicicleta, o short saia. Aquele que de frente parece saia mas trás é um short, que esteve bem presente no verão 2015.

roupa para pedalarAgora começou a esfriar, mas ainda rola uns dias quentes, o famoso veranico de maio, e esta peça pode sim continuar a ser usada. Sem falar que uma meia calça por baixo funciona super bem.

roupa para pedalar

Esse modelo é da Graça de Maria, tem a cintura alta, que evitar aparecer o cofrinho, rs… é feito em sarja e possui outras cores disponíveis para encomenda.

Você tem algum modelo que é seu preferido na hora de pedalar? Conta pra gente então… 😉

 

 

seal

 

Ciclofaixa não é estacionamento.

Ciclofaixa é para bicicletas!

Florianópolis atualmente não tem uma boa estrutura cicloviária, o que no nosso ponto de vista só faz a cidade perder. Floripa tem tudo para ser perfeita para o ciclismo: pouco relevo, rotas sempre lindas e habitantes que gostam de praticar atividades físicas, que se tivessem à disposição mais ciclovias ou ciclofaixas usariam a bicicleta e deixariam o carro em casa em muitas de suas atividades diárias.

O que me faz escrever hoje é sobre o uso das ciclovias e ciclofaixas já existentes. Utilizo bastante as ciclofaixas do centro: Almirante Lamego, Bocaiuva, Trompowsky ,Duarte Schutel. Observo que essas ciclofaixas são bastante utilizadas por ciclistas, mas muitas vezes é perigoso pedalar por ali, sim: PERIGOSO.

Por quê?

 

estacionaram na ciclo faxia

Muitos motoristas insistem em estacionar carros em cima da ciclofaixa, enquanto “vão ali rapidinho” ou “estão trabalhando”descarregando seus caminhões, ou seja lá qual for a desculpa esfarrapada que usam pra justificar a infração. Além disso, há quem trafegue sobre as ciclofaixas! Motociclistas são campeões nisso e outro dia quase fui atropelada por um deles.

estacionaram na ciclofaixa

Foto: Ari Laercio Boehme

O fato é que enquanto alguém estaciona ali “rapidinho”, quem deveria estar trafegando na ciclofaixa em segurança precisa entrar na pista de rolamento, na frente dos carros, e arriscar-se para seguir em frente. O que pode ser fatal. Imagine, alguém dentro do carro pode abrir a porta e derrubar o ciclista, que pode vir a ser atropelado por outro carro que esteja trafegando pela pista.
Sei que com o aumento da frota de veículos nas ruas, estacionar tornou-se cada vez mais complicado (e esse é um dos motivos pelo qual eu uso a bicicleta). Porém,  o problema de achar um lugar regulamentado para estacionar é do dono do veículo, não do ciclista ou do pedestre. E nada justifica estacionar onde é proibido, seja ciclofaixa, calçada, entrada de garagem ou qualquer outro local onde a sinalização é de “proibido estacionar”. Qual o problema em respeitar a sinalização? As regras valem para todos! E não interessa o tempo que você precisa, o “é rapidinho” não serve como justificativa. Falta de educação talvez sirva, mas isto não podemos aceitar.

As mudanças começam por nós mesmos e vão se espalhando ao nosso redor. Pequenas atitudes fazem grande diferença. De nada adianta condenar um político corrupto, por exemplo, se nem ao menos se consegue respeitar uma placa de trânsito só porque não há ninguém por perto fiscalizando.

Que tal então, da próxima vez que encontrar um carro estacionado na ciclofaixa você possa conversar com o motorista (com educação e a maior paciência do mundo) e explicar para ele o risco que você corre, enquanto ciclista, quando ele age dessa forma?
Não custa tentar né? 😉

7 coisas que mudaram na minha vida depois da bicicleta

bela na bike

Dizem que quando passamos a usar a bicicleta no dia-a-dia nossa visão sobre a cidade muda, nossos conceitos mudam. E isso é bem verdade.
Aconteceu comigo, talvez aconteça diferente com você. Mas vou citar aqui 7 coisas que mudaram na minha vida depois da bike, ou seja, desde que passei a viver a cidade de bicicleta:

1 – Aceitar meu cabelo como ele é.

Todo mundo sabe que o cabelo muda sozinho com o tempo, mas mesmo assim sempre gostei de mudar o meu cabelo. Logo que minha mãe deixou, aos 14 anos fiz permanente e a partir daí foi um festival de mudanças: cortei chanel bem curtinho e raspado na nuca, depois luzes até ficar loira, depois pintei de vermelho-cereja e há uns 10 anos decidi não mudar mais a cor natural que é castanho escuro, mas com toda a química que eu usei, meu cabelo mudou muito, ficou mais fino, nem crespo e nem liso, e então eu sempre escovava e usava a tal chapinha pra alisar e acertá-lo como eu gostava de me ver no espelho. Até que voltei a pedalar e percebi que fazer chapinha pra ir de bicicleta ao trabalho era desperdício. Foi aí que passei a aceitar meu cabelo como ele é. Claro que dou uma escovadinha com o secador de leve na franja pra ajeitar, mas hoje não perco mais aqueles  40 minutos antes de sair de casa pra arrumar o cabelo! UFAAA!! LIBERDADE!!! #livredachapinha

2 – Que não vou virar monstro se pegar uma chuvinha de leve.

Como era a Maria-cabelo-alisado, não podia ver uma chuvinha que já me arrepiava antes do cabelo… rsrsrs… Jamais sairia na rua com qualquer garoa que fosse, já tinha que pegar o carro pra ir até na padaria. Hoje, vivo a vida como ela é: com chuva, sol, vento e descobri  que chego no meu destino sem grandes catástrofes na aparência… E isso me deixa muuuito feliz! #semdrama

3 – Que nem sempre que eu transpirar eu vou ficar fedendo.

Claro, que se eu saio pra fazer uma pedalada de 2 horas com velocidade máxima voltarei suada e fedida. Mas se eu sair de casa de banho tomado e transpirar até chegar ao trabalho isso não vai acontecer. Vou chegar suada, mas depois de 15 minutos estarei com minha aparência normal de volta e meu perfume suave de sempre.

4 – A dirigir com mais responsabilidade.

É fato, ciclistas que andam no trânsito passam a ser mais cuidadosos quando dirigem. E não conheço nenhum estudo científico que comprove isso não, mas é visível a mudança que ocorre. Isso aconteceu comigo, não que eu fosse uma motorista maluca infratora, mas hoje dirijo mais devagar, prestando muito mais atenção em pedestres e ciclistas do que antigamente. A gente literalmente se vê na posição do outro e não conheço auto-escola que ensine isso atualmente. Sem falar de todo o individualismo que só cresce na nossa sociedade…

5 – Que ciclista também tem deveres.

E cumpri-los é importantíssimo! Saber onde pode e onde não pode bicicleta, sinalização e como se comportar no trânsito são práticas que facilitam muito a vida dos motoristas e a nossa!

6 – Que o limite do meu corpo está na minha cabeça.

Às vezes parece que não vou conseguir vencer uma subida, que não vou conseguir concluir o percurso e voltar pra casa pedalando, que o vento é muito forte e eu não vou conseguir pedalar… Tudo coisa da minha cabeça, às vezes é mais difícil, mas eu sempre consigo… 😉

7 – Que eu posso ser eu mesma, com todas as minhas frescuras, manias e delicadezas, e com muito charme mesmo usando uma bicicleta pra me transportar!

Enfim, a bicicleta melhorou não só a minha relação com a cidade em que eu vivo, mas também minha relação comigo mesma.

Hoje sou uma pessoa mais segura, mais livre, mais leve… 😉

 

 

 

Cinema de bike – Bela na Bike e Pedal Glamour

Antes de mais nada, queríamos agradecer a todos que participaram do nosso passeio no último sábado, à Naiara do Pedal Glamour pela parceria e ao Paradigma Cinearte pelo apoio… Foi incrivelmente incrível! 😛 Cansativo? Um pouco… mas valeu muito a pena! Foi daquelas experiências que antes de chegar ao fim já desperta uma vontade louca de fazer de novo.
Até poucos meses atrás eu, Michelle, nem imaginava ir ao cinema de bike ou fazer qualquer outro programa pedalando, ainda mais tendo que percorrer mais de 11km para isso (só ida!). E essa é a parte boa de escrever este blog com minha irmã, diva master da bicicleta. Além de despertar um outro olhar sobre o jeito de se locomover na cidade, experimentar sensações únicas, momentos que vão ficar registrados na memória, e no blog, e no Instagram, e no Facebook… rs.

cinema de bike

cinema de bike

cinema de bike

Confesso que foi puxado. O dia estava quente, sol forte, e como a sessão de cinema era as 15h tivemos que partir cedo, às 13:30 com o sol à pino!
Resolvi ir com uma blusa meia manga de algodão para não sofrer muito com o sol queimando a pele. E nos pés tênis, como íamos subir alguns morros eu me senti mais segura assim.

O cinema Paradigma CineArte fica em uma rodovia de trânsito  rápido e muito movimentada aqui de Floripa: a SC 401, que liga o centro ao norte da ilha. Como nem todas as pessoas que iriam participar eram muito experientes (e eu estou inclusa nessa categoria), fizemos um caminho alternativo para evitar ao máximo a tal rodovia e também porque é muito mais lindo e agradável. Caminho este com algumas subidas ingratas, mas que foram vencidas com muita garra por todos! Foi massa! Teve alguns momentos em que transitamos pela tal rodovia (a SC401), mas sabe que foi menos assustador do que eu imaginava? O fato de estarmos em grupo ajuda bastante na segurança. Fomos sempre pelo acostamento, sinalizando nossas intenções de ação e não tivemos nenhum problema ou situação tensa… Afinal de contas era sábado, os motoristas deveriam estar mais tranquilos, rs.

E a chegada no cinema?! Foi no momento certo… precisamos apenas de 10 minutos para prender as bicicletas, tomar uma água, regularizar a respiração e parar de suar: estávamos prontos para sentar, relaxar a curtir o filme.

cinema de bike

Cinema de bike

A volta para casa foi tranquila também, teve parada na padoca para um café gostoso sem culpa e depois um presente dos céus: um pôr do sol de cair o queixo com inúmeros tons de rosa, laranja e vermelho… indescritível.

cinema de bike

cinema de bike

cinema de bike

cinema de bike
Se eu faria de novo?! Muitas vezes mais, sem sombra de dúvida.

Já teve picnic e cinema, alguém sugere um novo evento/lugar para irmos de bike todos juntos?