Convite – Picnic Bela na Bike + Pedal Glamour 2ª Edição

Demorou, mas finalmente faremos a 2ª edição do Picnic Bela na Bike + Pedal Glamour! Yeahhh!!

picnic-evento-facebook-CAPA (1)

Depois da primeira edição que foi no Parque de Coqueiros, vamos agora nos reunir no Parque Natural Municipal do Morro da Cruz, um local pouco conhecido na cidade e que merece ser muito visitado.

Possui uma infraestrutura excelente e conta com uma vista espetacular, além de várias trilhas, quadras de esportes, brinquedos para crianças e etc. Em uma cidade carente por bons espaços comunitários – especialmente no Inverno – como Florianópolis, incentivar a descoberta de novos lugares públicos é algo que faz bem para as pessoas e também para a cidade.

Entrada do Parque - foto: Petra Mafalda/PMF

Entrada do Parque – foto: Petra Mafalda/PMF

Parque Natural Municipal do Morro da Cruz. foto:Petra Mafalda/PMF

Parque Natural Municipal do Morro da Cruz. foto:Petra Mafalda/PMF

 

 

 

 

 

 

 

O plano é simples: reunir pessoas legais, que gostam de pedalar – ou que querem começar – para trocar ideias e comidinhas. O picnic irá começar com um pedal, às 14 horas, saindo da Praça Gov. Celso Ramos (Praça da Woa). De lá, subiremos até o Parque. É uma ótima oportunidade para quem nunca subiu o Morro da Cruz pedalando, considerando que teremos a companhia do grupo e faremos apenas uma parte da subida (o parque fica localizado no meio da ladeira, ufa!). Para quem já é habitué do trajeto, será uma oportunidade festiva de vencer o morro mais uma vez.

Quem não se considera preparado para ir pedalando, poderá ir a pé ou mesmo pegar um ônibus. Há algumas vagas para carros no parque, mas são bem limitadas. Quem preferir ir de carro, poderá oferecer caronas no evento do Facebook. Afinal, a intenção é exaltar a coletividade.

O evento é gratuito e aberto para todos.

Estão todos convidados.

Domingo, 16 de Julho a partir das 14h.

Evento no facebook: AQUI

Atrações:

Como se pedalar, comer e conversar já não fosse bom o bastante, ainda teremos outras atrações para o dia, como:

  • Oficina Comunitária com Guerrilla Bike Coletivo
    Tragam suas bikes pra fazermos ajustes e pequenos reparos totalmente grátis, e também suas peças encostadas pra vender, trocar, doar… Check up da bicicleta, dicas para pedalar com mais segurança no trânsito, como resolver pequenos problemas na bike de maneira rápida, uso correto das marchas, altura do selim, etc.
  • Apresentação do projeto Saia na Bike com Brenda Goedert
    Muitas mulheres simpatizam com a bike mas ainda assim muitas destas mulheres resistem em incluir a magrela na rotina do seu dia a dia, muito disso por falta de conhecimento, segurança ou até mesmo companhia. O Saia Na Bike nasce para auxiliar essas mulheres a se empoderarem por meio da bicicleta e vem como uma nova fonte de conteúdo independente para estimular a independência feminina em duas rodas!
  • Oficina de Bike Polo com Deisy Christoff
    O Bike Polo surgiu na Irlanda aproximadamente em 1891, quando a bike veio para substituir os cavalos, respeitando os dias de descanso dos animais. Em 2017, Floripa sediou o II campeonato Sul Americano! Evento lindo, porém com nenhuma disputa de times femininos.
    Assim, a oficina Bike Polo com essas minas lindas vem para apresentar esta nova forma de se divertir, de aumentar a participação feminina, de mostrar como melhorar habilidades como equilíbrio, agilidade, concentração, coordenação e resistência.
    Levar: capacete, a magrela e a vontade de aprender e se divertir!
  • Vinhos com Empório Dijon
    Pode só levar as comidinhas porque o Empório Dijon estará no evento vendendo uma seleção de vinhos em taça! Teremos vinho tinto, rosé e espumante para garantir uma tarde ainda mais gostosa!

Você tem alguma atividade que se enquadra no evento? Escreva para nós 🙂

Participe, convide os amigos, venha curtir o lado de fora!

 

A Bela na Bike de Janeiro

Mais um dia de compartilhar a história de uma bela para inspirar vocês (por mais que o calor tente nos convencer a deixar a bicicleta em casa!) a usar mais a bicicleta no seu dia a dia.
A bela na bike de Janeiro é  a Cláudia Schmittt, nos conhecemos nos grupos de pedal aqui em Floripa, e ela pedala muitooo!

Qual sua idade?

31 anos

Qual o espaço que a bicicleta ocupa no seu estilo de vida? (Esporte, lazer, transporte)

Tenho a bike como forma de esporte (MTB) e lazer/transporte (modelo monareta). Como esporte, pratico em quilometragem maior, com velocidade superior ao passeio, pois se limita a treinos.
Por sua vez, como lazer e transporte, em função de estar próximo de pedestres e outras pessoas pedalando, ou de patins e skate, sigo em ritmo tranqüilo. Ideal para você ir ao supermercado, farmácias, padarias e cursos. Uso a minha para ir até a aula de inglês.

Conte de forma breve, com a bicicleta conquistou espaço na sua rotina?

Engraçado como me apaixonei rapidamente pela Bicicleta. Pedalava muito quando criança, depois, com a faculdade e estágios, não tinha mais tempo. Ano passado, quando resolvi fazer um pedal, encontrei um grupo pedalando e peguei informações sobre o mesmo. DE lá para cá não larguei mais, até abandonei as aulas de tênis por não ter tempo livre para esta aula, pois a bike me consumia os dias de forma muito prazerosa. O bacana disso tudo é que se tem grupos todos os dias e para todos os níveis, tanto na Ilha quanto no Continente. Então, para aqueles que ainda têm certo medo, super aconselho pedalar em grupos.

Quais foram os benefícios que o uso frequente da bicicleta trouxe para você?

A bike traz diversos benefícios. Mais disposição, mais leveza, paz e tranqüilidade, além da sensação de liberdade e de poder sempre ir mais longe. Melhora o condicionamento físico e a parte cardíaca.Você acaba superando algumas dificuldades, driblando alguns medos e na expectativa por novos desafios. Sem falar nos novos amigos que acabamos adquirindo.

Você costuma se preocupar com seu visual na hora de pedalar?

Como toda mulher, sim. Usar roupas confortáveis, leves e frescas são essenciais, tentando estar sempre bem vestida, mantendo a feminilidade.

Quais suas maiores dificuldades na hora de se vestir para ir de bicicleta nas atividades de rotina?

Encontrar roupas leves e confortáveis, pois como você estará sentada movimentando as pernas, um short mais justo pode causar incômodos, uma calça mais solta pode prender no pedal e uma saia mais curta pode causar constrangimentos, principalmente em Fpolis, onde volta e meia se tem vento sul.

 Quais são as maiores dificuldades que você encontra no seu dia-a‐dia de ciclista?

Falta de ciclovias em determinados locais e conscientização de outros ciclistas que não conhecem as regras, além de motoristas despreparados.

 Você teria algum truque/dica pra ensinar a mulheres que estão começando a pedalar agora?

Aconselho a pedalar cada uma no seu ritmo para não cansar logo e acabar desmotivada. Coloque uma roupa leve, de material com ótima transpiração, e curta a natureza ao seu redor. Você se sentirá muito mais disposta depois, com energia renovada. Para aquelas que tiverem a oportunidade de pedalar em grupo, aconselho entrar em um, para pegar a segurança inicial, as dicas e conhecer novas rotas, isso faz muita diferença.

Que mudanças você gostaria de ver na sua cidade para que a rotina dos ciclista se tornasse mais tranquila e segura?

Ciclovias sinalizadas e bem feitas, sem obstáculos pelo caminho, além de maior divulgação/propaganda informando das leis/regras para ciclistas e motoristas, com o intuito de conscientizar o cidadão.

10734023_835312249847072_285686891008281202_n

 

Claudia, muito obrigada por compartilhar conosco um pouquinho do seu cotidiano com a bicicleta e nos mostrar como é possível sim, usar a bicicleta na nossa cidade com estilo e feminilidade.

😉

 

 

Papo de menina: maquiagem para festas de fim de ano!

Nós já falamos sobre maquiagem para andar de bicicleta aqui no blog, mas hoje viemos dar dicas de maquiagem para as festas de fim de ano para se despedir de 2014 em alto estilo.
Há algum tempo tenho acompanhado a jornalista e blogueira Juliana Goes, uma apaixonada por maquiagem que dá várias dicas incríveis sobre o assunto.
Andei passeando no canal dela no you tube e achei esse tutorial ensinando a fazer uma make linda para festas! Dá play e confere:

Linda né?

Se está afim de arrasar , tenta!

A gente sabe que nem todo mundo tem habilidade para se auto maquiar e que é preciso treino e paciência para tentar mais uma vez se a primeira não der certo. E para quem quer desenvolver essa habilidade ou aperfeiçoar as técnicas que já tem, a Juliana Goes tem um curso online bem completinho e bem didático que você pode fazer sem sair de casa e na hora que bem entender. Pareceu interessante? Entre no site dela para saber mais sobre o curso e assista uma aula grátis!

😉

 

seal

Look do dia para ir de bike

Oi gente!!

Os últimos dias em Floripa têm sido de muito calor e eu vim aqui mostrar um look do dia com uma peça que amo usar. Nesses dias vou direto escolhendo ele: o macaquinho!

O macaquinho é o queridinho desse verão, e pra gente que usa a bike no dia-a-dia é super prático e feminino. Aqui estou usando um modelo regata, o mais fresquinho possível.

Quando eu chego no escritório, depois de ambientada no ar condicionado sobreponho um blazer que traz uma elegância imediata à pessoa… 😉

IMG_4907

E você, curte macaquinhos? O que vc costuma usar quando sai de bike nesse calorzão? Conta pra gente!

😀

 

 

 

Cabelos e bicicletas: dicas para deixar os fios domados

Você esta planejando ir para o trabalho de bike mas está preocupada com o cabelo?
Nós vamos ajudar você a chegar com o cabelo apresentável ao seu destino, dando dicas para deixar os fios domados, ok?

Independente se você for usar capacete ou não, é importante prender o cabelo, ou pelo menos parte dele. Você vai ter que prestar atenção em várias coisas ao seu entorno e não vai querer correr o risco de passar sobre um buraco e furar um pneu, por exemplo, enquanto estava tirando a franja do rosto, certo?

Agora… vai usar capacete? Ok, vamos lá:
É fato, o capacete vai amassar seu cabelo e tirar todo o volume dele. O que você pode fazer para diminuir um pouco o efeito liso colado na cabeça é prender a franja com um grampinho para o lado inverso ao que você costuma usar, isso vai levantar a raiz e na hora que você jogar o cabelo de volta vai fazer aquela ondinha que adoramos! E para quem gosta do volume no cabelo todo, fazer um coque baixo ou dois próximo do pescoço, torcendo o cabelo, vai mantê-lo protegido do vento e dar um efeito ondulado na hora de soltar. A aplicação de shampoo a seco na raiz dos fios também ajuda a manter o volume do cabelo e controlar a oleosidade do couro cabeludo.

coques

Os rabos de cavalo também são ótimos aliados na hora de pedalar. Se você for usar capacete o melhor é que eles também sejam presos próximos ao pescoço, para o amarrador não fazer pressão e machucar sua cabeça. O bom do rabo de cavalo é que você consegue refazê-lo sem maiores dramas quando chegar ao seu destino, ou então dá pra fugir do convencional e mandar um rabo de cavalo mais elaborado como esses abaixo:

rabo de cavalo

Trança é a melhor opção quando você tem pouco tempo e quer chegar com o cabelo pronto ao trabalho. Com ou sem capacete e dependendo do seu corte de cabelo, claro, a trança  mantem os fio no lugar por mais tempo.

Se você for habilidosa, existe uma infinidade de modelos de trançado para explorar!

Sem Título-2

No papo sobre Cycle Chic que fomos na semana passada, foi falado sobre os lenços e como eles podem ser versáteis. Eles podem ser usados por baixo do capacete para manter o cabelo cheiroso. Ele pode proteger seu cabelo do vento evitando o frizz. Ele pode também absorver o suor eventualmente. E o mais legal é que ainda dá para incrementar seu estilo fazendo amarrações diferentes e utilizando ele como turbante, não é demais?

lenços

 

Gostaram meninas? Conseguimos ajudar um pouquinho? 😉

 

Papo sobre Cycle Chic

Olá pessoal! Na semana passada nós falamos aqui sobre o bate papo sobre Cycle Chic que aconteceria lá na Bicicletaria Garupa, lembram? Aliás, quem ainda não conhece a Garupa, vale a pena fazer uma visita, uma bicicletaria super descolada e diferente de qualquer outra que já se viu em Floripa.

Saímos do centro acompanhadas da Brigitte e da Henriqueta (as bicicletas) e percorremos aproximadamente 7 km até o local. Fomos vestidas de acordo com nosso estilo, como costumamos nos vestir no dia-a-dia, eu de macaquinho de viscose e a Michelle de shortinho, camiseta e blazer.

papo cycle

Na saída… E no percurso!

Chegando lá o bicicletário já estava quase lotado, mas ainda havia um paraciclo livre onde pudemos amarrar nossas magrelas. 😀

10351400_869287043102297_5045794366416004399_n

Eu e a Brigitte (a bike), no bicicletário clicadas por Fabricio Souza.

Muita gente foi prestigiar, tanto mulheres quanto homens, e nós fizemos alguns registros do evento pra mostrar como foi.

IMG_4958

Naiara mostrando uma capa de chuva, super linda…

IMG_4961

IMG_4963

IMG_4968

O papo rolou solto, super descontraído graças à leveza com que a Naiara compartilhou suas histórias.

Com muito bom humor, Naiara abordou vários temas dos quais nós já falamos aqui no blog também, mostrou dicas super importantes sobre vestuário, maquiagem, o que fazer com o cabelo, como usar saias e vestidos mesmo indo de bike, como se proteger do sol, da chuva… Fez tudo parecer tão simples e óbvio!

Teve pipoca para a galera e quem quis acompanhou com uma cerveja, que aliás sempre tem disponível para comprar no Garupa e estava geladíssima!

Nós adoramos o evento. Foi muito legal conhecer algumas leitoras do blog, assim como conversar com pessoas que já usam a bicicleta no dia a dia e outras que querem começar. Sentir que o papo deu ânimo para mais gente colocar suas bikes na rua e começar a praticar o Cycle Chic por aí foi o ponto alto do evento. Precisamos de cada vez mais eventos como esse pela cidade.

Agradecemos aqui o convite, e a receptividade de todos. 😉

Beijinhos, Aline.

Uma vontade e pneu furado…

Neste fim de semana que passou estive no Vale dos Vinhedos em Bento Gonçalves na Serra Gaúcha, a terra dos vinhos. Que lugar encantador…
Infinitos tons de verdes compõem a paisagem, intermináveis parreiras de uvas se estendem por todo o vale, a cada curva um convite para conhecer uma vinícola, cada uma com sua peculiar produção de vinhos, sucos e geléias… Sem falar na comida: massas caseiras, galeto, carnes, queijos, polentas… hummmm. É um lugar onde se come e bebe muito bem!

Bom, a razão da minha viagem foi aproveitar um compromisso de trabalho que meu namorado tinha na região para conhecer o lugar e ainda comemorar nosso aniversário de namoro. E foi perfeito!

DSC04072

DSC04003

Ficamos hospedados em uma pousada familiar no Vale dos Vinhedos, super aconchegante e com atendimento nota dez! A pousada chama Ca’di Valle e a própria família toma conta de tudo. Fomos muito bem recebidos pela dona da pousada, a Sra Vilma, que nos esperava com sucos e vinhos produzidos ali mesmo na propriedade… que felicidade!

Depois de conhecer a pousada, visitar o parreiral de uvas e o local onde é feito o vinho da familía, o Thiago foi cuidar dos compromissos de trabalho dele e fui procurar o que fazer nesse tempo. Com o dia lindo que estava e aquela paisagem incrível ao redor, na hora pensei: “vou perguntar para a dona Vilma se eles não tem um bicicleta pra me emprestar, rs”. E não é que ela tinha!? Iupiiiiii… o/
Os pneus estavam vazios, então lá foi o esposo da dona Vilma, o seu Jandir, encher os pneus para mim… rs.

E lá fui eu explorar a redondeza, advertida pela família que andar pelo asfalto seria perigoso por não ter acostamento e os carros andarem em uma velocidade muita alta por ali. Ok, me conformei com a ideia de que não poderia ir muito longe. Coloquei uma blusa de viscose manga longa, pois apesar do sol tinha um arzinho frio pela manhã, e um short de alfaiataria com sapatilha para o meu passeio.

DSC04016

DSC04013

Só que a minha alegria não durou muito, logo que cheguei na saída da pousada vi que o pneu de trás estava vazio novamente, estava furado…  🙁

Mas tudo bem, consegui fazer umas fotinhos e registrar a beleza do lugar.

Conversando com a familia depois, fiquei sabendo que já existe um projeto reivindicando ciclovias no Vale do Vinhedos… Boa notícia! A gente só espera que não demore décadas, por a região é linda e é um roteiro e tanto para o pessoal que curte cicloviagem.

😉

 

De bike em Copenhague

Vamos começar a semana com os ciclistas de Copenhague?

Faça sol, chuva ou neve, lá estão elas… as magrelas estão por toda a cidade. <3

Assista até o final e depois nos diga se não dá uma vontade louca de pegar a bicicleta e sair pelas ruas!

Boa semana meninas!

Começando pela ciclovia

Oi meninas! Hoje,  vim contar sobre o meu primeiro “pedal chic”  junto com a mana. Não que eu nunca tenha pedalado na vida. Mas quando eu andava de bicicleta, há 15 anos atrás, as coisas eram diferente. Eu morava em um bairro pequeno, onde a pracinha era ponto de encontro da meninada, não haviam muitos carros circulando pelas ruas, enfim, bem diferente dos dias atuais.

Escolhemos a beira-mar norte como local, ideal para sentir a vibe de andar de bicicleta no centro da cidade. Apesar de ser ciclovia, para chegar até ela é preciso pedalar por locais onde não há ciclovias e atravessar alguns semáforos.

É importante saber que existem algumas regrinhas básicas para pedalar, e as regras aprendidas no dia foram:

  • Lugar de bicicleta é nas ciclovias/ciclofaixas e na falta delas, na rua e não em cima de calçada, quando precisar transitar em uma, desça da bicicleta e empurre ela enquanto estiver sobre a calçada;
  • Sempre andar pelo lado direito da faixa;
  • Parar no locais indicados quando houver pedestres atravessando a ciclovia;
  • Usar a buzina para alertar pedestres desavisados que você está passando.

Regras ok, agora é hora de pedalar! Ah, antes deixa só eu falar das roupas que escolhi:

Para o primeiro pedal, nada de salto alto… o ideal para pedalar é usar um calçado que seja preso no calcanhar para não sair do pé, então optei por um tênis desses de couro para me sentir mais segura. Até porque a bicicleta não é minha e eu ainda não tinha subido nela.

E para vestir, nessa época do ano é indicado o uso de roupas leves, então escolhi uma camisa de viscose e um short de sarja, ambos os tecidos tem algodão na composição que favorecem a transpiração.

O passeio foi uma delícia, com direito a parada para um cafézinho antes de voltar para casa, adorei! Conforme for me aventurando mais vou contando aqui pra vocês no Diário de uma iniciante.

cycle chic

cycle chic 2

cycle chic 3

As bicicletas das fotos são do casal Aline e Ari, elas são lindas e tem até nome, se chamam Brigitte (bege) e Henriqueta (preta). As duas são bem antigas, o casal acredita que a Brigitte seja da década de 30 e a Henriqueta da década de 50. Mas parece que saíram da loja hoje! Foram restauradas e hoje chamam atenção por onde passam como se fosse duas garotinhas de 20 anos. 😉

E o seu estilo de bike, qual é?

Beijos, Michelle.

Cycle Chic

No post anterior, onde a Aline fala um pouco da história dela com a bicicleta e de onde ela começou a buscar referência para se vestir na hora de usar a bike como transporte, ela cita o Cycle Chic. Você já deve ter ouvido essa expressão por ai, mas sabe de onde veio?
O termo Cycle Chic surgiu em Copenhague na Dinamarca, uma das cidades mais bem adaptadas ao ciclismo, e foi usada pelo fotografo Mikael Colville-Andersen quando criou seu blog em 2007 com retratos de pessoas estilosas, especialmente mulheres, com suas bicicletas no dia a dia, o  Copenhagen Cycle Chic.

Quadro Cycle Chic 1

No fim das contas, Cycle Chic virou sinônimo de algo que já existe desde que a bicicleta foi inventada em 1880: pessoas comuns, sem aparatos especiais, em cima de bicicletas. O próprio Mikael Colville-Andersen disse certa vez em entrevista para o jornal britânico The Guardian que seu objetivo é fazer com que as pessoas olhem a bicicleta como transporte cotidiano e não apenas como esporte ou hobby. Ele defende a ideia de que você não precisa mudar o jeito de se vestir em razão do meio de transporte que usa, pode chegar bem vestido ao destino como se tivesse usado táxi, carro ou ônibus.

Quadro Cycle Chic 2

Muita gente sabe que na Europa essa prática é muito comum, são diversas as cidades em que a bicicleta é um meio de transporte bem popular. Além de Copenhague tem Amsterdã, Londres, Paris… E com certeza você deve estar pensando que é só lá que funciona.
Por enquanto, infelizmente, no Brasil é mais complicado. Além da questão da cultura do brasileiro supervalorizar o carro, o governo incentiva cada vez mais a compra deles, havendo cada vez mais carros nas rodovias, quando estas já não suportam mais tanto tráfego. Ainda tem a questão da educação do motorista brasileiro, que muitas vezes mal conhece as leis do código de trânsito, provocando muitos acidentes que poderiam ser facilmente evitados
Mas isso pode e deve mudar! Só que somos nós que precisamos mostrar para as autoridades do que nossas cidades precisam. É necessário mais infraestrutura, incentivo e educação. Cobrar deles ações que melhorem a qualidade de vida da população no quesito mobilidade, assim como campanhas de conscientização dos motoristas. Sabemos que a bicicleta não é a única solução para os problemas atuais de mobilidade urbana, mas pode ser boa parte dela!
E quanto mais pessoas aderirem a bicicleta como meio de transporte e reivindicarem seus direitos, mais pressão será feita sobre o poder público e mais rápido as mudanças vão começar a acontecer. As cidades precisam ser repensadas para as pessoas, pois com certeza, dentro de um carro em um engarrafamento não é a melhor maneira de viver o que sua cidade tem a oferecer.
Então coloque uma roupa bacana que você goste de usar, que se sinta confortável e experimente ir ao mercado. Eu lembro que fazia isso com muita frequência quando era criança. Sempre que minha mãe pedia para ir comprar alguma coisa, eu ia de bike… era tão fácil, tão bom… porque hoje tiramos o carro da garagem para tudo?!

 

Fontes de pesquisa: www.revistabicicleta.com,  www.euvoudebike.com