Viajar de bike – do Chuí a Montevidéu – Final

Viajar… quem não gosta? E viajar de bike, quem encara?
Estou aqui preparando este post com o relato dos últimos dias desta cicloviagem e revivendo todos os momentos na minha cabeça… Momentos que vou levar pra sempre na memória. Viajar e explorar os lugares de  bicicleta coloca dois temperos a mais na sua viagem: aventura e adrenalina. Viajar de bike requer um planejamento mais detalhado do que uma viagem convencional, mas no final vale a pena e é viciante, tá? Mal termina uma e a gente já está pensando na próxima (pelo menos aqui é assim, rs). E a nossa próxima cicloviagem será mais longa, 13 dias de pedalada, e está sendo planejada há uns dois anos… Mas isso é assunto para um outro post.
Vamos contar de uma vez como foi a última parte dessa aventura pelo Uruguai:

Quinto dia: Punta del Este – Atlantida
Depois de um merecido dia de descanso, saímos cedo do nosso hostel, o Tas d’Viaje, e rumamos para a cidade de Atlântida, nosso pedal mais longo, com 107 quilômetros, e um desafio para nós, que nunca havíamos pedalado acima dos 100 km.

IMG_3134 (Large)

Punta Ballena – onde fica a Casa Pueblo

No caminho paramos para conhecer a famosa Casa Pueblo, em Punta Balena, 14 km após Punta, uma obra majestosa do  artista uruguaio Carlos Páez Vilaró, recém falecido. Mas chegamos cedo demais (8h) e não conseguimos visitá-lo pois o local só abre após as 10h. Então, toca pra Piriápolis, que a estrada é longa.

IMG_3113 (Large)

Pose na frente da Casa Pueblo que ainda estava fechada pra visitação.

Quando estávamos em Punta tivemos o único dilema de nossa viagem: na próxima noite deveríamos pernoitar em Piriápolis, distante 45km, ou seguir até Atlantida, mais 62 km e assim chegar mais tranquilos em Montevidéu?

IMG_3141 (Large)

Quase em Piriápolis… E as estradas sempre uma tranquilidade!

Resolvemos pela segunda opção, já que estávamos descansados e então fizemos uma reserva pelo Booking num prédio de apartamentos que são alugados para turistas. Quando chegamos em Atlantida, depois de um dia todo pedalando sob sol intenso em um maravilhoso dia, procuramos por nosso local de estadia e quando lá chegamos, para nossa surpresa, quem encontramos? Sim, Pierrette e Roland estavam nos esperando, haja vista o dono do local ter lhes informado que estava esperando por um casal de pedalantes brasileiros. Eta mundo pequeno esse! Foi uma festa! Jantar com salada francesa e massa italiana feita por brasileiros num improviso só! Delícia de noite!
Para quem quiser dar uma olhada no Blog dos Franceses ai vai o link: Petit tour a tandem

Nessa noite jantamos todos juntos: nós, os franceses e mais um casal canadense que estavam hospedados no mesmo prédio.

Sexto dia: Atlantida – Montevidéu

No dia seguinte os franceses partiram antes, pois como diziam, iríamos atropela-los pelo caminho. Saímos uma hora depois e seguimos em nosso ritmo normal, cerca de 15 km/h.

IMG_3157 (Large) - 1

Na saída, maior cara de sono!

Nesta etapa viajamos pela Rota 9, rodovia uruguaia que liga Montevidéu ao Chui, sendo bastante movimentada e monótona, algo como viajar em uma grande BR brasileira. Mas em nenhum momento, nem na Rota 9, nem em outra rodovia ou local do Uruguai, tivemos algum problema em relação a segurança, ou os famosos “finos educativos”. Muito pelo contrário, sempre notamos um respeito muito grande em relação às bicicletas por parte dos veículos motorizados, muitos deles inclusive nos buzinando e fazendo gestos de incentivo. Ou seja, foi uma viagem extremamente tranquila!

IMG_3161 (Large) - 1

Destino final!

Após uma jornada pedalante de 55 quilômetros, chegamos a Montevidéu e paramos em um local onde há um enorme letreiro com o nome da cidade, com o centro da metrópole ao fundo. E quem encontramos saindo do local? Isso mesmo, os franceses, neste que seria nosso último encontro. Eles seguiram então para o mercado público enquanto nós seguimos a procura de que seria nosso hotel pelos próximos dois dias, pois iríamos ter mais um dia de ócio turístico antes do retorno ao Brasil.

IMG_20140327_161956 (Large)

Muitas ruas de Montevidéu são assim, parecem túneis de plátanos!

Já na tarde deste mesmo dia fomos com Thelma e Louise até a estação rodoviária de Tres Cruces para agilizar as passagens de volta, comprando-as na empresa Rotas del Sol, escolhida por ter bons horários diretos para o Chui, ônibus modernos e, principalmente, levam bicicletas em seus enormes bagageiros. As meninas teriam suas próprias passagens, seriam protegidas com plástico-bolha, que compraríamos em uma papelaria qualquer, para não levarem arranhões no quadro e seriam bem presas a estrutura do veículo. Ou seja: perfeito! Após resolvermos a volta ao Brasil, nos restava conhecer Montevidéu, seus locais históricos, turísticos e, principalmente, suas famosas parrillas!

IMG_3208 (Large)

#Turistando

E assim foram dois dias maravilhosos, caminhando, pedalando e provando a deliciosa carne uruguaia, considerada uma das melhores do mundo! Sempre bem acampanhadas de uma Patrícia, uma Pilsen ou uma Zillertal, ótimas cervejas locais que são vendidas em garrafas de um litro e que dão um banho de sabor nas congêneres brasileiras.

IMG_3184 (Large)

#Turistando2 – Olhando essa foto, alguém imagina que cheguei na cidade de bicicleta? :-)))

Em nosso último dia uruguaio, café da manhã no hotel, arrumar a bagagem toda nos alforges, fazer check out no hotel e rumar com as meninas para a rodoviária, para o retorno ao Chui, onde nos aguardava nosso veículo.
Ao sairmos da rodoviária já estávamos com saudade de pedalar, e então lembramos que este era o primeiro uso de um veículo motorizado em toda nossa viagem, pois até ali havíamos pedalado nada menos do que 428 quilômetros, em 30 horas sobre nossos selins Brooks, que aliás cumpriram honrosamente sua função de proteger nossos bumbuns, não que tenhamos tido o descuido de passar diariamente, antes e depois das pedaladas, uma generosa aplicação de pomada!  Também neste quesito tudo foi tranquilo, pois era outro ponto que nos preocupava. Bem estávamos com nossa bunda calejadas e nossos Brooks amaciados!

Jpeg

Preparada pra viajar de bus.

Foram cinco horas e meia de viajem tranquila, quando então chegamos a “praça central” da cidade de Chuy, lado uruguaio da Chui brasileira, onde montamos a bagagem toda nas bikes e seguimos para o hotel onde nosso carro havia ficado durante os últimos oito dias. Nesta noite, em parte pela não muito boa experiência que tivemos anteriormente, optamos por não jantarmos e fomos descansar, para poder encarar os mais de mil quilômetros que nos esperavam no outro dia, rumo ao nosso estado natal: Santa Catarina.

E assim terminava nossa primeira ciclo viagem internacional: Uruguai, 428 quilômetros de muita alegria!

Mapa Uruguai

RESUMO TÉCNICO:

  • Km pedalados: 428 quilômetros
  • Horas pedalando: 31h07m
  • Altimetria total: 1.656 m
  • Pneus furados: dois
  • Problemas mecânicos: Nenhum!!
  • Ferramentas levadas: três câmeras reserva, dois “power links”, um pedaço de corrente, duas gancheiras, kit remendo, kit ferramentas, braçadeiras/lacres.

PERCURSOS (gpsies.com)

E então, não dá vontade de pegar a bicicleta e sair por aí conhecendo o mundo?
Dá sim, mas não esqueça que viagens como essa precisam ser bem planejadas pra evitar algumas roubadas e perrengues (alguns fazem parte da brincadeira, mas tem situações que é bom evitar). Já demos algumas dicas de viagem por aqui, mas se você tem alguma dúvida sobre o assunto, comenta aí. Ou envie um email para contatobelanabike@gmail.com que a gente responde!

Como falei no incio em breve, em maio mais precisamente, saíremos para outra viagem de bicicleta, agora um pouco mais longa. Prepare-se para acompanhar novas aventuras!

😉

A primeira parte desta viagem viagem você encontra aqui e segunda parte aqui

Este artigo foi publicado originalmente em www.bikea2.wordpress.com