Caminho de Santiago de bike – Etapa 4 – de Navarrete a Belorado

Mais um dia começa, e o 4º dia de pedal pelo Caminho de Santiago de bike sai de Navarrete com um lindo sol, com a promessa de mais um dia incrível. Passamos por muitos campos de trigo, com uma estrada de chão que desenhava nosso trajeto à frente em meio à  todo aquele verde.

Caminho de Santiago de bike

Muitas formas de percorrer o Caminho…

Caminho de Santiago de bike

Caminho de Santiago de bike

Mais um dia de muito calor, hoje tínhamos poucas subidas, mas fizemos várias paradas nas fontes para pegar água.

Caminho de Santiago de bike

Parada em uma das abençoadas fontes…

Ainda não era meio dia quando chegamos no nosso destino para almoço: Santo Domingo de La Calzada. Mais uma cidade importante do Caminho e chegando lá percebemos que era um dia de festividade, as famílias na rua,  muitos restaurantes com mesas na rua e logo escolhemos um para apreciarmos uma paella.

Caminho de Santiago de bike

Catedral de Santo Domingo de la Calzada

Almoçamos e fomos passear pela cidade, visitamos a catedral e  ainda participamos de uma degustação de lingüiça com pão que acontecia na praça por conta da festa regada a uma tacinha de vinho. Afinal, diz um ditado que “De pan e vino se faz El Camino!”

Caminho de Santiago de bike

Nas praças, a disputa por um banquinho é grande…

Continuamos dando uma circulada pelas ruazinhas da cidade, e quem encontramos? Katia e Mariano (o casal que cohecemos no inicio da jornada)! Foi aí que nos aproximamos e descobrimos que eram pai e filha, espanhóis, moram em cidades diferentes (Ele em Guadalajara e ela em Bilbao) e resolveram fazer uma parte do caminho este ano. Sim, muitos espanhóis fazem isso, fazem um trecho, no ano seguinte mais um trecho, até que completam… Eles nos disseram que iriam somente até Burgos e de lá cada um seguiria para sua cidade. Tiramos foto com eles na frente da Catedral, nos despedimos e tínhamos certeza que cada dupla seguiria seu Caminho, talvez cruzando em mais algum ponto lá na frente, mas mais tarde descobrimos que não seria bem assim…

Caminho de Santiago de bike

Com nossos amigos ciclistas espanhóis Katia e Mariano.

Depois de visitar algumas lojinhas, comemos algumas cerejas (de novo :-D) e então resolvemos partir.

Caminho de Santiago de bike

Ainda não tínhamos decidido onde terminaríamos o dia, já tínhamos percebido que apesar de termos antecipadamente planejado as etapas, agora o Caminho já nos guiava e não tínhamos mais nada rigidamente programado, fomos deixando a viagem fluir… Pensamos em parar embaixo de alguma árvore já saindo de Santo Domingo, estávamos adiantados e pensamos que seria bom uns minutos de preguiça, mas não achávamos nenhum local que fosse atrativo para encostar as bikes e ficar na sombra, além disso um vento contra nos dizia que devíamos continuar pedalando porque a moleza do dia tinha acabado. À frente, uns 500 metros talvez, avistamos Katia e Mariano também enfrentando o vento bravamente, e próximo deles mais um ciclista que não tínhamos visto ainda até ali. Aos poucos fomos alcançando-os e logo estávamos os cinco formando um pelotão na guerra contra o vento, seguimos assim juntos até o próximo povoado, onde paramos numa fonte para beber água, descansar e de quebra bater um papo. O outro ciclista se chama Tony, espanhol também, de Écija. Logo estávamos os cinco na maior prosa e dando risadas…

Caminho de Santiago de bike

Minutos de prosa e risadas com Katia, Mariano e o novo amigo Tony, também espanhol.

Seguimos juntos a partir dali, e combinamos que caso acontecesse de alguém ficar para trás, nos encontraríamos no povoado de Belorado, no primeiro albergue da cidade.

Caminho de Santiago de bike

Caminho de Santiago de bike

Entrando na Provincia de Burgos.

Eu e o Ari acabamos em um momento avançando muito à frente e nos separamos deles, mas sabíamos do combinado e assim fizemos, chegando em Belorado ficamos no primeiro albergue esperando nossos novos amigos, e eles chegaram! Nos hospedamos todos no mesmo quarto com outros três peregrinos, depois de cada um tomar seu banho, dividimos a máquina de lavar roupas e sentamos no bar do albergue para contar mais sobre nossas vidas e beber umas Cañas (cervejas). Parecíamos velhos amigos, jantamos juntos e quando as risadas deram lugar aos bocejos fomos todos dormir felizes por mais uma etapa concluída…

Continua…

Se este foi o primeiro artigo que achou, clique aqui e acompanhe desde o começo os relatos dessa lindíssima viagem pelo Caminho de Santiago de Compostela de bicicleta.

😀

Caminho de Santiago de bike – Etapa 3 – De Estella a Navarrete

E vamos a mais uma etapa do Caminho de Santiago de bike:

Levantamos, tomamos nosso café no albergue mesmo e antes de sair, pedi pro Ari dar uma olhada no câmbio da minha bike. Meio contrariado, ele começou a mexer mas já avisando que não sabia se ia dar certo. E realmente a coisa desandou, ao invés de arrumar, piorou! Ficamos ali uma meia hora, eu segurando a bike (já arrependida de ter insistido pra ele mexer!) e ele tentando ajustar o câmbio enquanto reclamava, depois de muitos desajustes, arrumou!! UFA!! Seguimos então para mais um dia, inicialmente nosso objetivo era Logroño, mas durante o dia mudamos  os planos.  Andamos poucos km e logo chegamos na fonte da Bodegas de Irache, uma fonte onde há duas torneiras: uma de água e outra de vinho! Ok, era muito cedo (umas 9h da manhã) pra tomar vinho, mas precisávamos cumprir tabela e tomar esse vinho.. Tomamos um golinho cada, completamos as caramanholas (garrafinhas/squeezes) com água, as fotos de praxe e seguimos.

Caminho de Santiago de Compostela de Bike

Um gole de vinho…

Caminho de Santiago de Compostela de Bike

“Túneis verdes” pelo caminho.

Logo encontramos um bar/café muito charmoso, num local que merecia uma parada, tomamos mais um cafezinho.

Caminho de Santiago de Compostela de Bike

Seguindo a frente, passamos por plantações de uvas, uma vinícola na base de uma montanha com um Castello no topo: Villamayor de Monjardin, linda paisagem!

Caminho de Santiago de Compostela de Bike

Nesse dia ainda fazia calor, seguimos com bastante sol, passando pela cidade de Los Arcos, depois Sansol  e em Viana paramos para comer algo.

Caminho de Santiago de Compostela de Bike

Caminho de Santiago de Compostela de Bike

Passando entre os campos de trigo…

Caminho de Santiago de Compostela de Bike

O Caminho sempre nos leva a passar no meio das cidades…

Caminho de Santiago de Compostela de Bike

Passando pela cidade de Los Arcos.

Caminho de Santiago de Compostela de Bike

Paradinha pra olhar o Guia.

Caminho de Santiago de Compostela de Bike

Entrando em Viana.

Ari sempre cavalheiro me perguntou o que eu tinha vontade de comer, respondi: Ovo frito!! 😀  A cidade estava bem movimentada, muitas mesas na rua e enquanto escolhíamos uma lanchonete, uma  peregrina sueca chamava a todos que passavam para dividir com ela um Schnaps, havia tirado as botas e cantava alegre, acho que pela quantidade de schnaps que já tinha tomado… Parecia feliz! Sorri pra ela e fui comer meu pão com ovo.

Caminho de Santiago de Compostela de Bike

A linda Catedral de Viana…

Caminho de Santiago de Compostela de Bike

Cidade de Viana, movimentada quando passamos.

Depois  do lanche, tomamos uma sangria em um bar, compramos cerejas frescas (frutas da época) para comermos durante a tarde e voltamos para a estrada.
Durante a tarde o calor apertou mais uma vez, mas seguimos comendo nossas cerejas e rapidamente fomos vencendo os 49km que tínhamos programado. Chegamos em Logroño!

Caminho de Santiago de Compostela de Bike

Chegando em Logroño.

Cidade grande, linda! Linda ponte, linda catedral. Mas resolvemos  seguir e dormir numa cidade a frente, menor, mais calma: Navarrete. Pra sair de Logroño é um pouco confuso (Li isso em vários relatos antes de ir… ). Por todo o caminho existem as placas e setas amarelas, é difícil se perder, mas seguimos o guía de ciclistas e acabamos caindo num trecho sem sinalização e com muitos carros.

IMG_6991

Caminho de Santiago de Compostela de Bike

Quando esperávamos um semáforo abrir, um senhor local que estava do outro lado da rua fez sinal para esperarmos por ele, que atravessou e veio falar conosco. “Querem sair da cidade?” Perguntou ele. “Vou explicar um caminho para saírem desse trânsito.” Nos deu a direção e chegamos então numa ciclovia, por dentro de um lindo parque e seguimos tranquilamente nossa rota. Mais um “Anjo do caminho”, pensamos…
Chegando em Navarrete, procuramos o albergue municipal que não tinha local para guardar as bicicletas durante a noite e nos aconselharam a não deixá-las na rua, mesmo que amarradas. Nos indicaram outro albergue, e neste as bicicletas ficaram na garagem da casa, devidamente guardadas. Tomamos nosso banho, e saímos a caminhar pela pacata cidade.

Caminho de Santiago de Compostela de Bike

Única foto de Navarrete – a Catedral.

Tomamos algumas “cervezas “ para aliviar o calor enquanto aguardávamos abrir o restaurante que escolhemos para jantar. Entrando no restaurante haviam expostas algumas Compostelanas (certificado de quem completou o caminho de Santiago),  sentamos em uma mesa e quando a moça veio tirar nossos pedidos, sentou-se à mesa conosco, muito simpática, falando baixinho, e nós curiosos, perguntamos a ela se alguma das Compostelanas eram dela. Ela disse que sim, que havia caminhado desde Berlim!! Foram três meses caminhando até Santiago: 2.600km! Uau!! Ficamos impressionados e ela contou que durante sua peregrinação ficou tão agradecida com o que o Caminho deu a ela e ao companheiro, que resolveram retribuir de alguma forma e foram morar ali, abrindo um albergue com restaurante chamado Pilgrim’s. Foi uma das melhores refeições que fizemos durante nossa jornada, um tempero delicioso, ótimo serviço, local muito agradável, bem decorado, adoramos! Depois disso retornamos ao albergue e tentamos descansar, foi uma noite extremamente quente, mas conseguimos dormir.

Acompanhe essa história desde o início clicando aqui.

Caminho de Santiago de bicicleta – Etapa 2 – De Pamplona a Estella

Eis que começa o terceiro dia da viagem no Caminho de Santiago de Compostela de bicicleta, segue mais uma etapa percorrida:

Mais uma vez estávamos entre os últimos a saírem do albergue, fazia frio, algo em torno de 12 graus.

Caminho de Santiago de Compostela

Saída do albergue.

Fomos buscando as setas até encontrarmos um café para o “desayuno”. As bikes ficaram do lado de fora, café com leite, pão com manteiga na chapa e suco de laranja. Seguimos adiante, era o dia de encarar a subida para o Alto Del Perdón, sabíamos que havia um desvio por asfalto para bicicletas, mas queríamos seguir ao máximo o verdadeiro “caminho dos peregrinos”.

Caminho de Santiago de Compostela

Pelas ruas de Pamplona.

Logo que deixamos Pamplona, passamos por Cizur Menor, um povoado que parecia um condomínio, com casas muito bonitas, modernas e com ruas pavimentadas. Logo depois, entramos numa trilha, a qual seguia em direção a uma montanha tomada por geradores eólicos: é pra lá que vamos!

Caminho de Santiago de Compostela

Caminho de Santiago de Compostela

Mal entramos nessa trilha e avistamos, no sentido contrário, um senhor caminhando, que quando nos viu acenou para pararmos e perguntou por onde pretendíamos passar. Respondemos que iríamos “por camino” e ele prontamente nos disse: “não!”. “Não vão por aí, porque irão sofrer muito, a trilha é muito ruim, pedras soltas, muitos peregrinos. Há um desvio por carretera (asfalto) com pouco trânsito.” E nos deu as coordenadas.
Nosso guia também tinha esse desvio como opcional, mas tínhamos como objetivo fazer a maior parte pelo caminho, porém sem sofrer desnecessariamente!

Caminho de Santiago de Compostela

Parada para tirar os casacos e fazer uma foto na frente de um monte de fardos (eles estão em vários trechos por onde passamos)…

Caminho de Santiago de Compostela

Caminho de Santiago de Compostela

Foto na frente da imagem de fundo de tela do Windows…

Caminho de Santiago de Compostela

Seguimos a dica do nosso “anjo” do dia e fomos até onde ele indicou pela trilha, subindo e com bastante calor já, até chegar no povoado de Zariquiegui onde ficava a saída para o desvio e por onde observamos que outros ciclistas também iam seguindo.

Caminho de Santiago de Compostela

Descemos um bom pedaço e logo chegamos no asfalto para novamente subir! A estrada estava praticamente deserta e seguimos com tranquilidade até o monumento Alto Del Perdón.

Caminho de Santiago de Compostela

Caminho de Santiago de Compostela

Lá paramos, tiramos muitas fotos, afinal, é um dos marcos importantes do caminho. Depois sentamos num gramado para comer uma maçã e observar aquela paisagem incrível! Que paz, que felicidade…

Caminho de Santiago de Compostela

Caminho de Santiago de Compostela

Eufóricos por estarmos ali…

Caminho de Santiago de Compostela

Monumento no Alto del Perdón.

Momento descanso encerrado, hora de descer! Uma guia turística nos chama e pergunta se vamos descer pela trilha, disse que é muito complicado descer com bike carregada por ali, outros amigos também já haviam alertado, além do nosso guia espanhol.  Seguimos então pela carretera, e mais à frente passamos pelo Ivan, nosso amigo paulista que fazia o Caminho a pé e estava no mesmo albergue nós na noite anterior.

O Ivan filmou todo o percurso dele e aqui está o vídeo do momento em que passamos por ele, aparecemos a partir do minuto 2:21:

Dali, logo pegamos um desvio recomendado pelo guia, que nos levou à Ermita de Santa Maria de Eunate, construída no Século XII. Estava fechada, como muitas igrejas que passamos em toda a viagem, mas valeu a visita pra conhecê-la ao menos por fora, belíssima.

Caminho de Santiago de Compostela

Ermita Santa Maria de Eunate.

Seguimos nossa rota e chegamos a Puente La Reina onde prevíamos almoçar, encontramos um restaurante com Menu Peregrino e ali comemos muito bem, acompanhados de uma taça de vinho, afinal fazíamos “poco a poco” nosso Caminho…

E depois do farto (e gordo) almoço, sentimos que precisávamos esperar para seguir pedalando, paramos em frente a famosa ponte antiga, e que dá nome à cidade, sentamos na sombra de uma árvore, descansamos e até cochilamos um pouco. Depois disso, decidimos que não mais almoçaríamos assim,  faríamos apenas lanches e jantaríamos bem no fim do dia.

Caminho de Santiago de Compostela

Já eram 15h quando resolvemos seguir, o sol ainda estava forte, colocamos nossas camisetas de manga longa para proteger a pele e lá fomos em direção a Estella, nosso destino daquele dia. Logo na saída de Puente La Reina, subidaaaaa…. Toda asfaltada, era uma estrada secundária e o calor maltratou-nos um pouco. Subida vencida, encontramos uma fonte para abastecer as caramanholas e a água saía geladinha! Outros peregrinos também pararam ali, havia uma grande sombra, mas nós só bebemos água e fomos em frente. Voltamos para a estrada de chão, muitas subidas e descidas, em um trecho havia uma escada, e no fim dela um buraco gigante com degraus em desnível muito alto, precisamos atravessar as bikes carregadas uma de cada vez, assim nos ajudamos.

Caminho de Santiago de Compostela

Mais um bom pouco de trilha e meu câmbio desregulou… Na marcha mais leve ele batia no pneu e eu precisava fazer mais força para subir, além de fazer um barulho chato, e eu logo reclamei que precisaríamos arrumar. O Ari resistiu, disse que era arriscado mexer, mas eu sabendo dos desafios que estavam por vir, insisti e segui resmungando com meu cambio desregulado mesmo… Lá pelas 16h chegávamos em Cirauqui, um vilarejo que fica no topo de uma colina, comentamos entre nós: ah, uma coca-cola agora seria bom né? Não somos tomadores do líquido no dia-a-dia, mas nestes pedais longos a gente acaba vez em quando se rendendo. Chegando na cidade, vimos um outro ciclista já no alto enquanto subíamos a ladeira o Ari gritou: Ei!! Por aí tem Coca-Cola? Um bar para uma Coca-cola? E o homem gritou: Sí!!! E seguiu o caminho dele. Subimos bem empolgados e chegando lá, não havia nada, nem bar, nem uma viva alma na cidade ou máquina de refrigerante. Lá na Espanha se faz a siesta das 14h às 17h e fecha tudo, tudo mesmo!! Concluímos que o outro ciclista não entendeu o que o Ari falou… Ok, continuamos pedalando e pensando na Coca-cola…

Caminho de Santiago de Compostela

Pensando na Coca-cola…

Mais à frente, voltamos a encontrar o tal ciclista, que depois descobrimos ser espanhol e dessa vez quando nos viu gritou acenando: Coca-cola!! E depois em outras vezes que nos cruzamos ele repetia: Coca-cola!! Caímos na risada, achamos que ele entendeu como um cumprimento, ou nos apelidou assim… Chegamos em Estella bastante cansados, já passava das 17h e o primeiro albergue que procuramos estava cheio, o segundo também cheio, mas nos deram a dica de um albergue novo, e indicaram como chegar. Como eu era quem tinha entrado no albergue e recebido as informações, dei a direção de para onde pedalaríamos, e fomos seguindo por uma carretera que parecia sair da cidade. Depois de uns 4km percebemos que estávamos indo para o lado contrário! Aff!! O Ari que já estava meio nervoso pela falta de pouso, ficou ainda mais nervoso com meu feito . Voltamos tudo na maior velocidade que eu consegui…  Eu também fiquei bastante nervosa, pedalava quase chorando, com toda força, afinal se não conseguíssemos ficar neste albergue talvez tivéssemos que seguir para a próxima cidade que era bem menor e o horário já não era favorável pra conseguir algo lá também. Até que achamos o tal albergue, o Ari entrou para ver se tinham vaga e eu fiquei na rua, sentei numa calçada e chorei, esgotada do cansaço e já com medo de não conseguir seguir até o fim da viagem… De repente saem de dentro do albergue Mariano e Katia, pai e filha espanhóis, que encontramos lá no começo em Ronscesvalles. Quando me viram vieram falar comigo, disseram que o dia pra eles também tinha sido sofrido, com o calor e a altimetria, mas que aquele albergue era muito bom e que eu teria um bom descanso. Logo me acalmei e o Ari voltou dizendo que tinha conseguido um quarto  privado pra nós com banheiro e tudo, um luxo! Claro que saiu mais caro que um albergue como o que vínhamos ficando, mas logo pensei: tudo tem uma razão e talvez essa tensão no fim do dia tenha acontecido para que tivéssemos essa noite de conforto. Agradeci ao meu querido por esse carinho… Conseguimos lavar nossas roupas que estavam acumuladas do dia anterior, bebemos umas cervejas com jamón, e depois tivemos um ótimo jantar no próprio albergue, onde conhecemos algumas brasileiras e tivemos mais um agradável fim de noite. Nem preciso dizer que foi uma noite muuuuito bem dormida… 😀

Caminho de Santiago de Compostela

Igreja na chegada em Estella.

Acompanhe essa história desde o início clicando aqui.