7 coisas que mudaram na minha vida depois da bicicleta

bela na bike

Dizem que quando passamos a usar a bicicleta no dia-a-dia nossa visão sobre a cidade muda, nossos conceitos mudam. E isso é bem verdade.
Aconteceu comigo, talvez aconteça diferente com você. Mas vou citar aqui 7 coisas que mudaram na minha vida depois da bike, ou seja, desde que passei a viver a cidade de bicicleta:

1 – Aceitar meu cabelo como ele é.

Todo mundo sabe que o cabelo muda sozinho com o tempo, mas mesmo assim sempre gostei de mudar o meu cabelo. Logo que minha mãe deixou, aos 14 anos fiz permanente e a partir daí foi um festival de mudanças: cortei chanel bem curtinho e raspado na nuca, depois luzes até ficar loira, depois pintei de vermelho-cereja e há uns 10 anos decidi não mudar mais a cor natural que é castanho escuro, mas com toda a química que eu usei, meu cabelo mudou muito, ficou mais fino, nem crespo e nem liso, e então eu sempre escovava e usava a tal chapinha pra alisar e acertá-lo como eu gostava de me ver no espelho. Até que voltei a pedalar e percebi que fazer chapinha pra ir de bicicleta ao trabalho era desperdício. Foi aí que passei a aceitar meu cabelo como ele é. Claro que dou uma escovadinha com o secador de leve na franja pra ajeitar, mas hoje não perco mais aqueles  40 minutos antes de sair de casa pra arrumar o cabelo! UFAAA!! LIBERDADE!!! #livredachapinha

2 – Que não vou virar monstro se pegar uma chuvinha de leve.

Como era a Maria-cabelo-alisado, não podia ver uma chuvinha que já me arrepiava antes do cabelo… rsrsrs… Jamais sairia na rua com qualquer garoa que fosse, já tinha que pegar o carro pra ir até na padaria. Hoje, vivo a vida como ela é: com chuva, sol, vento e descobri  que chego no meu destino sem grandes catástrofes na aparência… E isso me deixa muuuito feliz! #semdrama

3 – Que nem sempre que eu transpirar eu vou ficar fedendo.

Claro, que se eu saio pra fazer uma pedalada de 2 horas com velocidade máxima voltarei suada e fedida. Mas se eu sair de casa de banho tomado e transpirar até chegar ao trabalho isso não vai acontecer. Vou chegar suada, mas depois de 15 minutos estarei com minha aparência normal de volta e meu perfume suave de sempre.

4 – A dirigir com mais responsabilidade.

É fato, ciclistas que andam no trânsito passam a ser mais cuidadosos quando dirigem. E não conheço nenhum estudo científico que comprove isso não, mas é visível a mudança que ocorre. Isso aconteceu comigo, não que eu fosse uma motorista maluca infratora, mas hoje dirijo mais devagar, prestando muito mais atenção em pedestres e ciclistas do que antigamente. A gente literalmente se vê na posição do outro e não conheço auto-escola que ensine isso atualmente. Sem falar de todo o individualismo que só cresce na nossa sociedade…

5 – Que ciclista também tem deveres.

E cumpri-los é importantíssimo! Saber onde pode e onde não pode bicicleta, sinalização e como se comportar no trânsito são práticas que facilitam muito a vida dos motoristas e a nossa!

6 – Que o limite do meu corpo está na minha cabeça.

Às vezes parece que não vou conseguir vencer uma subida, que não vou conseguir concluir o percurso e voltar pra casa pedalando, que o vento é muito forte e eu não vou conseguir pedalar… Tudo coisa da minha cabeça, às vezes é mais difícil, mas eu sempre consigo… 😉

7 – Que eu posso ser eu mesma, com todas as minhas frescuras, manias e delicadezas, e com muito charme mesmo usando uma bicicleta pra me transportar!

Enfim, a bicicleta melhorou não só a minha relação com a cidade em que eu vivo, mas também minha relação comigo mesma.

Hoje sou uma pessoa mais segura, mais livre, mais leve… 😉

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *