7 coisas que mudaram na minha vida depois da bicicleta

bela na bike

Dizem que quando passamos a usar a bicicleta no dia-a-dia nossa visão sobre a cidade muda, nossos conceitos mudam. E isso é bem verdade.
Aconteceu comigo, talvez aconteça diferente com você. Mas vou citar aqui 7 coisas que mudaram na minha vida depois da bike, ou seja, desde que passei a viver a cidade de bicicleta:

1 – Aceitar meu cabelo como ele é.

Todo mundo sabe que o cabelo muda sozinho com o tempo, mas mesmo assim sempre gostei de mudar o meu cabelo. Logo que minha mãe deixou, aos 14 anos fiz permanente e a partir daí foi um festival de mudanças: cortei chanel bem curtinho e raspado na nuca, depois luzes até ficar loira, depois pintei de vermelho-cereja e há uns 10 anos decidi não mudar mais a cor natural que é castanho escuro, mas com toda a química que eu usei, meu cabelo mudou muito, ficou mais fino, nem crespo e nem liso, e então eu sempre escovava e usava a tal chapinha pra alisar e acertá-lo como eu gostava de me ver no espelho. Até que voltei a pedalar e percebi que fazer chapinha pra ir de bicicleta ao trabalho era desperdício. Foi aí que passei a aceitar meu cabelo como ele é. Claro que dou uma escovadinha com o secador de leve na franja pra ajeitar, mas hoje não perco mais aqueles  40 minutos antes de sair de casa pra arrumar o cabelo! UFAAA!! LIBERDADE!!! #livredachapinha

2 – Que não vou virar monstro se pegar uma chuvinha de leve.

Como era a Maria-cabelo-alisado, não podia ver uma chuvinha que já me arrepiava antes do cabelo… rsrsrs… Jamais sairia na rua com qualquer garoa que fosse, já tinha que pegar o carro pra ir até na padaria. Hoje, vivo a vida como ela é: com chuva, sol, vento e descobri  que chego no meu destino sem grandes catástrofes na aparência… E isso me deixa muuuito feliz! #semdrama

3 – Que nem sempre que eu transpirar eu vou ficar fedendo.

Claro, que se eu saio pra fazer uma pedalada de 2 horas com velocidade máxima voltarei suada e fedida. Mas se eu sair de casa de banho tomado e transpirar até chegar ao trabalho isso não vai acontecer. Vou chegar suada, mas depois de 15 minutos estarei com minha aparência normal de volta e meu perfume suave de sempre.

4 – A dirigir com mais responsabilidade.

É fato, ciclistas que andam no trânsito passam a ser mais cuidadosos quando dirigem. E não conheço nenhum estudo científico que comprove isso não, mas é visível a mudança que ocorre. Isso aconteceu comigo, não que eu fosse uma motorista maluca infratora, mas hoje dirijo mais devagar, prestando muito mais atenção em pedestres e ciclistas do que antigamente. A gente literalmente se vê na posição do outro e não conheço auto-escola que ensine isso atualmente. Sem falar de todo o individualismo que só cresce na nossa sociedade…

5 – Que ciclista também tem deveres.

E cumpri-los é importantíssimo! Saber onde pode e onde não pode bicicleta, sinalização e como se comportar no trânsito são práticas que facilitam muito a vida dos motoristas e a nossa!

6 – Que o limite do meu corpo está na minha cabeça.

Às vezes parece que não vou conseguir vencer uma subida, que não vou conseguir concluir o percurso e voltar pra casa pedalando, que o vento é muito forte e eu não vou conseguir pedalar… Tudo coisa da minha cabeça, às vezes é mais difícil, mas eu sempre consigo… 😉

7 – Que eu posso ser eu mesma, com todas as minhas frescuras, manias e delicadezas, e com muito charme mesmo usando uma bicicleta pra me transportar!

Enfim, a bicicleta melhorou não só a minha relação com a cidade em que eu vivo, mas também minha relação comigo mesma.

Hoje sou uma pessoa mais segura, mais livre, mais leve… 😉

 

 

 

Maquiagem para carnaval!

Ah la la ôôôôôô ôôôôô… Carnaval está aí meninas! E pra quem curte uma folia, gosta de aproveitar o carnaval para extravasar e fazer o que você normalmente não faz, trouxemos hoje um tutorial de maquiagem para carnaval com muitoooooooooooo brilho para você se inspirar.

Novamente a rainha dos pincéis de maquiagem Juliana Goes dá dicas para você (e eu, claro!) arrasar na maquiagem de carnaval.

Maquiagem com glitter não é muito fácil de fazer, né? O glitter se espalha e no fim estamos com brilho espalhado no rosto inteiro! Mas a Juliana dá duas boas dicas durante o vídeo para evitar este desastre brilhoso…

Não é necessário ter os mesmos produtos que ela usa no tutorial, dá para adaptar com o que você tem em casa, dá até para trocar as cores se você não é fã de rosa. O legal é prestar atenção na técnica que ela usa para dar o efeito desejado.

A gente sabe que nem todo mundo tem habilidade para se auto maquiar e que é preciso treino e paciência para tentar mais uma vez se a primeira não der certo. E para quem quer desenvolver essa habilidade ou aperfeiçoar as técnicas que já tem, a Juliana Goes tem um curso online bem completinho e bem didático que você pode fazer sem sair de casa e na hora que bem entender. Pareceu interessante? Entre no site dela para saber mais sobre o curso e assista uma aula grátis!

Bom carnaval pessoal!!!

 

 

seal

O que você precisa saber sobre estilo

Neste blog nós nos propusemos a compartilhar sobre o mundo da bicicleta para mulheres, e dentro deste imenso universo, além da bicicleta propriamente dita, entram assuntos relacionados a beleza, moda, saúde, estilo, entre outros.

Hoje vamos falar de estilo, mas antes de falar de estilo pessoal, vamos fazer um pequeno adendo sobre o estilo de vida de quem usa bicicleta.

O que vemos hoje em dia é um preconceito enorme com quem usa a bicicleta como transporte. Na sociedade do hiperconsumo, onde você tem que estar sempre comprando o que há de mais atual, onde você tem que ter o carro do ano e as roupas da marca mais badalada do momento, quem anda de bicicleta é pobre ou não tem nada pra fazer da vida… se esta de bicicleta está a passeio.
É difícil para as pessoas enxergarem que usar a bicicleta é um estilo de vida e quem faz essa opção está mais preocupado com o tempo que ela ganha ao ficar fora dos congestionamentos diários e com os benefícios para a saúde e para a vida dela  do que em ostentar uma imagem para as outras pessoas.

Dito isso podemos falar sobre estilo pessoal. Mas o que é estilo?

Sabemos que estilo é algo particular e que cada um tem o seu. Dentro do circuito das bicicletas podemos encontrar os mais variados, e você não precisa seguir o estilo fitness “só uso lycra” por usar a bicicleta.

Estilo pessoal é a soma das preferencias, do estilo de vida e da personalidade de cada uma. E para ter estilo é preciso se conhecer e aprender quem você é, quem quer ser nesse mundo. Ter estilo não vem da vontade de ser outra pessoa, ou ser mais alta, mais magra ou mais bonita… Vem da habilidade de ter confiança e projeta-lá para que as pessoas enxerguem que você se respeita, se ama e se veste para si mesma e para mais ninguém. Confiança é algo cativante, revela poder e não se perde com o tempo – e isso é infinitamente mais interessante que beleza.

Acreditar na própria beleza e ser auto-confiante são atitudes essenciais para se construir o próprio estilo. Abraçar suas “imperfeições”  pode ser sua arma na hora de definir seu caráter e espírito.  Ao brincar com os pontos fracos e acentuar as falhas, a mulher torna-se especial, atraente e ainda mais invejável. Confiança não tem nada a ver com estética e tudo a ver com atitude.

O estilo não é algo imutável, fixo e definitivo, ele vai mudando conforme vamos amadurecendo e conforme nosso estilo de vida. Nós sabemos o quanto é dificil você escolher que roupa vestir todos os dias, e que fica ainda mais dificil quando você escolhe ir de bike e quer ser você, transmitindo a imagem que traduz sua essência.

Para ajudar um pouquinho e ispirar vocês, a partir da semana que vem, traremos uma pequena entrevista com mulheres que usam a bike no seu dia a dia, será uma entrevista por mês com uma Bela na Bike e cada uma a seu estilo, mulheres de verdade mostrando que é possível usar mais sua bike e manter seu estilo.

Estilo Olivia palermo

Pinterest

“Nada torna uma mulher mais bonita do que a própria crença de ser bonita.”  Sofia Loren

 

 

Cabelos e bicicletas: dicas para deixar os fios domados

Você esta planejando ir para o trabalho de bike mas está preocupada com o cabelo?
Nós vamos ajudar você a chegar com o cabelo apresentável ao seu destino, dando dicas para deixar os fios domados, ok?

Independente se você for usar capacete ou não, é importante prender o cabelo, ou pelo menos parte dele. Você vai ter que prestar atenção em várias coisas ao seu entorno e não vai querer correr o risco de passar sobre um buraco e furar um pneu, por exemplo, enquanto estava tirando a franja do rosto, certo?

Agora… vai usar capacete? Ok, vamos lá:
É fato, o capacete vai amassar seu cabelo e tirar todo o volume dele. O que você pode fazer para diminuir um pouco o efeito liso colado na cabeça é prender a franja com um grampinho para o lado inverso ao que você costuma usar, isso vai levantar a raiz e na hora que você jogar o cabelo de volta vai fazer aquela ondinha que adoramos! E para quem gosta do volume no cabelo todo, fazer um coque baixo ou dois próximo do pescoço, torcendo o cabelo, vai mantê-lo protegido do vento e dar um efeito ondulado na hora de soltar. A aplicação de shampoo a seco na raiz dos fios também ajuda a manter o volume do cabelo e controlar a oleosidade do couro cabeludo.

coques

Os rabos de cavalo também são ótimos aliados na hora de pedalar. Se você for usar capacete o melhor é que eles também sejam presos próximos ao pescoço, para o amarrador não fazer pressão e machucar sua cabeça. O bom do rabo de cavalo é que você consegue refazê-lo sem maiores dramas quando chegar ao seu destino, ou então dá pra fugir do convencional e mandar um rabo de cavalo mais elaborado como esses abaixo:

rabo de cavalo

Trança é a melhor opção quando você tem pouco tempo e quer chegar com o cabelo pronto ao trabalho. Com ou sem capacete e dependendo do seu corte de cabelo, claro, a trança  mantem os fio no lugar por mais tempo.

Se você for habilidosa, existe uma infinidade de modelos de trançado para explorar!

Sem Título-2

No papo sobre Cycle Chic que fomos na semana passada, foi falado sobre os lenços e como eles podem ser versáteis. Eles podem ser usados por baixo do capacete para manter o cabelo cheiroso. Ele pode proteger seu cabelo do vento evitando o frizz. Ele pode também absorver o suor eventualmente. E o mais legal é que ainda dá para incrementar seu estilo fazendo amarrações diferentes e utilizando ele como turbante, não é demais?

lenços

 

Gostaram meninas? Conseguimos ajudar um pouquinho? 😉

 

Como andar de bicicleta usando saias e vestidos

Quando postamos sobre o que vestir para ir de bike, prometemos um post sobre como andar de bicicleta usando saias e vestidos sem constrangimentos, certo? Então hoje vamos dar algumas dicas de como usar essas peças tão femininas, que a grande maioria das mulheres adoram e gostariam de incluir no seu look do dia mesmo quando vão de bike.

Saber escolher o modelo da saia ajuda bastante:

saias

O modelo que mais favorece na hora de pedalar são as mais soltinhas e de tecidos leves.
Saia lápis geralmente não funciona. Porque elas são justas próximo aos joelhos, o que limita seus movimentos.
Saia maxi também não rola, é muito tecido solto, que pode acabar enrolando na coroa, ou no aro da bicicleta. A não ser que ela seja mais rente ao corpo com pouco volume de tecido, assim se consegue dar um jeito.

O comprimento  influencia bastante, quanto mais curta ela for, mais difícil vai ser de pedalar sem que apareça coisa que não deve, e se for de tecido muito leve a chance de ela levantar com vento (inclusive a parte de trás e aparecer seu bumbum) é maior. O ideal é que a saia fique pelo menos uns 5 dedos acima dos joelhos, assim você pedala confortável e sem preocupação.

vestidos

No inverno usar meia calça ajuda a nos deixar mais confiantes, e no verão um shortinho de lycra pode fazer esse papel. 😉

Massss… um truque genial pode colocar o shortinho de volta na gaveta e ajudar você com vários modelos de saia: o Penny In Yo’ Pants! Assista o vídeo abaixo e confira:

As meninas que tiveram a ideia afirmam que tudo o que é necessário fazer é colocar uma moeda por trás do vestido e amarrá-la pela frente, com o elástico de cabelos. E além da dica ser incrível, o mais legal é que o Penny In Yo’ Pants se trata de uma campanha em crownfunding para ajudar a equipe de ciclismo feminino do Afeganistão (que desafiam as leis do país, treinando para as Olimpíadas de 2020).

Uma alternativa também seria usar uma pregadeira (aqueles alfinetes que se usava em fralda de bebês, sabe?) para unir a parte da frente com a parte de trás da saia, só tomando cuidado com tipo de tecido, já que a pregadeira fura o tecido e pode deixar marcas ou puxar fio.

Outra questão que influencia na hora de usar saia é a regulagem do banco, se ele estiver muito baixo seu joelho subirá demais e junto com ele sua saia (ops!). Para regular, fique em pé ao lado da bike e observe se o banco bate na altura do seu quadril.
E ainda tem o tipo de bicicleta. Nas bicicletas femininas, o quadro permite que você comece a pedalar sem precisar levantar a perna para subir nelas. O que não ocorre nas bicicletas masculinas (em que o cano superior do quadro é mais alto), e fica um pouco incômodo na hora de subir na magrela. Mas calma! Também tem solução! Dá uma olhada nesse vídeo e aprenda como fazer.

Todas essas são dicas para você começar a experimentar o uso destas peças, não são regras fixas, então a partir do momento que começar a sentir mais confiante, pode testar outras formas: saias mais curtas, mais justas, mais rodadas… e ir sentindo se está confortável ou não. E depois conta pra gente, viu?!

Beijinhos!

Saia de saia na bike

Na semana passada, quando postamos sobre o que vestir para ir de bike, prometemos um post sobre como andar de bicicleta com saias e vestidos sem constrangimentos, certo? Então hoje vamos dar algumas dicas de como usar essas peças tão femininas, que a grande maioria das mulheres adoram e gostariam de incluir no seu look do dia mesmo quando vão de bike.

Saber escolher o modelo da saia ajuda bastante:

saias

Pinterest

O modelo que mais favorece na hora de pedalar são as mais soltinhas e de tecidos leves.
Saia lápis geralmente não funciona. Porque elas são justas próximo aos joelhos, o que limita seus movimentos.
Saia maxi também não rola, é muito tecido solto, que pode acabar enrolando na coroa, ou no aro da bicicleta. A não ser que ela seja mais rente ao corpo com pouco volume de tecido, assim se consegue dar um jeito.

O comprimento  influencia bastante, quanto mais curta ela for, mais difícil vai ser de pedalar sem que apareça coisa que não deve, e se for de tecido muito leve a chance de ela levantar com vento (inclusive a parte de trás e aparecer seu bumbum) é maior. O ideal é que a saia fique pelo menos uns 5 dedos acima dos joelhos, assim você pedala confortável e sem preocupação.

vestidos

Pinterest

No inverno usar meia calça ajuda a nos deixar mais confiantes, e no verão um shortinho de lycra pode fazer esse papel. 😉

Massss… um truque genial pode colocar o shortinho de volta na gaveta e ajudar você com vários modelos de saia: o Penny In Yo’ Pants! Assista o vídeo abaixo e confira:

As meninas que tiveram a ideia afirmam que tudo o que é necessário fazer é colocar uma moeda por trás do vestido e amarrá-la pela frente, com o elástico de cabelos. E além da dica ser incrível, o mais legal é que o Penny In Yo’ Pants se trata de uma campanha em crownfunding para ajudar a equipe de ciclismo feminino do Afeganistão (que desafiam as leis do país, treinando para as Olimpíadas de 2020).

Uma alternativa também seria usar uma pregadeira (aqueles alfinetes que se usava em fralda de bebês, sabe?) para unir a parte da frente com a parte de trás da saia, só tomando cuidado com tipo de tecido, já que a pregadeira fura o tecido e pode deixar marcas ou puxar fio.

Outra questão que influencia na hora de usar saia é a regulagem do banco, se ele estiver muito baixo seu joelho subirá demais e junto com ele sua saia (ops!). Para regular, fique em pé ao lado da bike e observe se o banco bate na altura do seu quadril.
E ainda tem o tipo de bicicleta. Nas bicicletas femininas, o quadro permite que você comece a pedalar sem precisar levantar a perna para subir nelas. O que não ocorre nas bicicletas masculinas (em que o cano superior do quadro é mais alto), e fica um pouco incômodo na hora de subir na magrela. Mas calma! Também tem solução! Dá uma olhada nesse vídeo e aprenda como fazer.

Todas essas são dicas para você começar a experimentar o uso destas peças, não são regras fixas, então a partir do momento que começar a sentir mais confiante, pode testar outras formas: saias mais curtas, mais justas, mais rodadas… e ir sentindo se está confortável ou não. E depois conta pra gente, viu?!

Beijinhos!