Bela na Bike do mês de Julho

Apresentar mulheres que encaram o dia-a-dia de bike, provando que é possível ser linda pedalando, enche o nosso coração de orgulho!!

E quem vem embelezar nosso site esse mês como a Bela na Bike do mês de julho é a Ana, que além de pedalar em grupos noturnos (foi assim que a conheci, pedalando com o grupo Duas Rodas), acompanhar o seu amado em pedais longos de final de semana, cicloviagens e trilhas, ela também pedala pra ir ao trabalho. Ela é demais, não é?

Ah, e só para constar: a Ana pedala 22 km pra chegar ao trabalho e mais 22 km pra voltar pra casa, e nesse percurso está incluído o Morro da Lagoa, que para quem não conhece Floripa é uma montanha de aproximadamente 200m de altimetria! É muita admiração por essa moça!!

A Ana é tão meiga e querida, que à primeira vista ninguém imagina o quanto ela acelera no pedal até vê-la em ação!

ANA SANTOS (3)

Foto: Felipe Munhoz

1. Qual sua idade e profissão?

Tenho 38 anos e sou administradora.

2. Qual o espaço que a bicicleta ocupa no seu estilo de vida? (Esporte, lazer, transporte)

Uso em diversas situações, para ir trabalhar, para ir ao mercado e como atividade de lazer, costumo pedalar com grupos de ciclistas. No verão, nada melhor que ir à praia de bike e voltar tranquila enquanto o trânsito está parado.

3. Conte de forma breve, como a bicicleta conquistou espaço na sua rotina?

A rotina de usar a bicicleta no dia a dia começou com a vontade de tornar o caminho para o trabalho mais prazeroso. Já utilizava a bicicleta, como disse anteriormente para lazer, o que ajudou a acrescentar a bici também para ir ao trabalho.

4. Quais foram os benefícios que o uso frequente da bicicleta trouxe para você?

O bom humor é um dos principais benefícios, o dia já começa animado, sem precisar se preocupar com as condições do trânsito e sem stress. É também uma boa forma de otimizar o tempo, pois é uma ótima atividade física, e contribui também para a saúde.

5. Você costuma se preocupar com seu visual na hora de pedalar?

Tento sempre sair arrumada, e pronta para o trabalho, desta forma não preciso me trocar quando chego. Ainda assim, dou uma passada no banheiro, para os retoques finais na maquiagem e no cabelo.

6. Quais suas maiores dificuldades na hora de se vestir para ir de bicicleta nas atividades de rotina?

Ainda não consigo utilizar todos os tipos de roupas que gostaria, mas é uma evolução diária, aos poucos tenho experimentado algumas novidades. Outro pequeno incômodo devido a longa distância é o suor, que às vezes incomoda um pouco. Mas fazendo algumas paradas no caminho, e utilizando lenços umedecidos na chegada, é perfeitamente possível contornar isso.

7. Quais as maiores dificuldades que você encontra no seu dia-a-dia de ciclista?

A falta de ciclovias no meu trajeto é sem dúvida, um dos maiores problemas que enfrento. Alguns trechos inclusive, preciso percorrer distâncias maiores, para evitar as rodovias com velocidade muito alta e pouco acostamento. Torço muito que isso melhore daqui pra frente, mas de qualquer forma, isso não me impede de ir pedalando.

8. Você teria algum truque/dica para ensinar a mulheres que estão começando a pedalar agora?

Onde trabalho infelizmente não tem chuveiro para tomar banho, então já experimentei alguns truques no cabelo. O que mais dá resultado é sair de casa com o cabelo já molhado e utilizar um lenço ou bandana na cabeça, o que permite chegar ao trabalho com o cabelo ainda úmido, e assim fazer os ajustes finais. Outra opção para utilizar no cabelo, sem precisar molhar é o talco, pois ele tira a oleosidade do cabelo. Basta espalhar um pouco na raiz dos cabelos e depois passar a escova até que o branco do talco suma.

9. Que mudanças você gostaria de ver na sua cidade para que a rotina dos ciclistas se tornasse mais tranquila e segura?

Mais infraestrutura cicloviária seria fundamental, mas enquanto isso não chega, precisamos compartilhar os nossos caminhos com todos, e o respeito mútuo é fundamental!

Foto: Felipe Munhoz

Foto: Felipe Munhoz

Ana, muuuito obrigada por compartilhar sua história conosco!

E você aí do outro lado da tela?

Se inspirou? Reflita, tente e surpreenda-se, você também pode!!

 

 

Bela na Bike do mês de maio

São muitas belas na bike Brasil a fora, e hoje quem compartilha sua história com a gente é a Viviane Mendonça de Curitiba…  ela é um arraso! Um exemplo para todas nós.
Quem a vê circulando em sua bicicleta pelas ruas de Curitiba conclui que ela poderia perfeitamente ser uma francesa de Paris ou uma italiana de Milão. O cabelo curtinho e o estilo moderno elegante de Viviane Mendonça, 37 anos, combinam com roteiros de filmes europeus e cenários de cinema. Mas, esta professora de Geografia da rede estadual de ensino nasceu em Lunardelli, no Paraná. De lá, trouxe a simplicidade deliciosa daqueles que sabem o que vale a pena na vida e uma  certa timidez misturada com recato, bem característica de quem viveu e cresceu no interior.
Viajada, conhece vários continentes e, em boa parte destas viagens, a bike foi o propósito da empreitada ou o meio de locomoção para cumprir o itinerário. Há mais de 10 anos, a magrela faz parte da rotina  de Viviane. Pedalando ela parou de fumar, emagreceu 20 quilos e transformou seu estilo de vida.
A maior mudança, segundo ela, foi no humor.  Porém, os amigos mais próximos sabem que foi muito além disso. Viviane incluiu programas mais agradáveis, uma alimentação mais saudável e viagens inspiradoras na rotina do marido, dos amigos e dos familiares. Atualmente, ela assina a página Vou de bike e salto alto, no Facebook, e tem um perfil no Instagram, onde registra uma infinidade de belezas e detalhes do mundo dos ciclistas.

Foto: Eliandro Oliveira

Foto: Eliandro Oliveira

  1. Qual o espaço que a bicicleta ocupa no seu estilo de vida?
    A bicicleta está presente em todas as áreas da minha vida. Faço trilha todos os finais de semana e participo de algumas competições locais. Sou praticante de cicloturismo há mais de 10 anos, tendo feito alguns roteiros espetaculares como Chapada Diamantina, Chapada dos Veadeiros, Caminho de Santiago de Compostela, trilha do Telégrafo (considerada a pior trilha do Brasil), Serra Gaúcha e tantos outros pelo Brasil a fora. E, por fim, a bike transformou-se no meu meio de transporte. Vou ao trabalho, supermercado, aula de inglês, academia e outros afazeres diários com a minha magrela.
  1. Conte de forma breve, como a bicicleta conquistou espaço na sua rotina?A minha relação com a bicicleta começou aos 15 anos, quando questionada sobre querer debutar, respondi que não e que queria apenas uma bicicleta com cestinha.  Já adulta, quase 20 anos depois, comecei a pedalar aos domingos com grupos de amigos. Fazíamos trechos curtos pela região metropolitana de Curitiba com aproximadamente 30 km. Mais tarde, essas trilhas se tornaram mais longas com 50 ou até 80 km, quando passei a conhecer meu corpo e meus limites. Descobri uma força em mim que não consigo explicar muito bem  até hoje. Mais confiante, passei a fazer cicloturismo e ‘carregar’ a bike para todos os lugares possíveis de se pedalar. Lama e cansaço já não me derrubavam mais. Então, há 3 anos atrás , decidi levar essa minha experiência para o dia-a-dia da minha rotina. Comecei pedalando para o Trabalho e depois fui adaptando outros afazeres diários. Percebi, que nada á impossível até você tentar. O que mais  me intrigava era o fato  de ter que pedalar todos os dias  com aquelas roupas de ciclistas, e claro, a logística seria péssima. Tira roupa, leva roupa na mochila, troca de roupa no trabalho. Não, assim eu não queria, foi aí então, que decidi ir pedalando do mesmo jeito que eu trabalho, ou seja, de bike e salto alto. E não é que funcionou (rsrs). Tive o privilégio de conhecer vários países e entender como lá homens e mulheres pedalam com roupas casuais, pensei: porque não? E, a partir disso, tomei a iniciativa. Primeiro fiz o trecho num domingo de manhã de casa até o meu trabalho acompanhada do meu marido que sempre foi meu maior incentivador apoiando minhas maluquices de bike,  aliás, sem ele eu nunca teria tido coragem de fazer tudo o que faço, somos grandes companheiros unidos pela bicicleta.  Na semana seguinte iniciei o que seria a minha liberdade e independência de ir e vir Já que não dirijo e não tenho carro, minha rotina de locomoção pela cidade se resume em bike, ônibus a pé ou de táxi, exatamente nesta ordem. Escrever este texto para vocês me faz refletir o quanto nós ciclistas mulheres somos diferentes das demais mulheres que não pedalam, e, ao mesmo tempo tão idênticas na coragem, superação e fortes nas nossas batalhas diárias.
  1. Quais foram os benefícios que o uso frequente da bicicleta trouxe para você?Certamente meu humor e meu peso. Já cheguei a pesar 20 quilos a mais que hoje, de 75 kg para 55 kg . Mas isso é passado. Primeiro, a bike mudou meu corpo, depois, mudou a minha cabeça, e, hoje ela mudou a minha vida. Me tornei uma mulher mais bem humorada, já chego pilhada para trabalhar já que tenho que ficar muito atenta nas ruas “né”. Passei a entender melhor o trânsito e por isso respeitá-lo, aprendi que tenho regras rígidas a serem seguidas e que “bancar a espertinha” no trânsito pode tirar a minha vida ou a de outra pessoa. Quando estou na rua meu raciocício é: não faça nada que possa provocar a ira de um motorista ou um pedestre e mantendo-me  sempre correta nas minhas atitudes.
  1. Você costuma se preocupar com seu visual na hora de pedalar?Sim, muito! Você não precisa andar ‘fedidinha’ e muito menos sem maquiagem só porque vai de bike. Visto-me exatamente como se fosse de carro ou de táxi, não deixo de usar nada que goste só porque vou de bicicleta. A partir do momento que entendi que isso era perfeitamente possível, ganhei as ruas imediatamente. Inclusive, acessórios dos mais diversos são muito bem vindos para nós mulheres e ciclistas, deixa você e o trânsito mais leves. Uma das maiores vantagens foi poder ir para muitos lugares de salto alto o que provavelmente não conseguiria andando a pé, principalmente por calcadas irregulares, sonho realizado de ficar de salto o dia todo indo e vindo pelas ruas.
  1. Quais suas maiores dificuldades na hora de se vestir para ir de bicicleta nas atividades de rotina?Felizmente, hoje não tenho dificuldades. Simplificar é a regra da bike. Menos é mais né. Aprendi e adaptei meu dia-a-dia para bicicleta, carregar menos coisas, ir ao supermercado, sim é possível, no inicio assim como toda mudança, quase desisti, mas hoje posso jurar que é possível e fácil.
  1. Quais as maiores dificuldades que você encontra no seu dia-a-dia de ciclista?Muitas. Como em todas as cidades do Brasil. A começar pelo trânsito, que sem dúvida é o problema dos ciclistas de todo Brasil e estabelecimentos sem estacionamentos para bike. Muitas vezes deixo de comer em alguns lugares ou comprar algo porque não há bicicletários .  Também existem os assaltos, já fui roubada uma vez, levaram minha bike e não foi nada agradável. Estes tem sido os grandes desafios por aqui meninas.
  2. Você teria algum truque/dica para ensinar a mulheres que estão começando a pedalar agora?Coragem e muita vontade de ser livre. A sensação do vento na “cara” não tem explicação. As principais dicas que acho super válidas são:. O tipo de bicicleta é importante, se você vai para o trabalho, procure uma bike mais urbana e confortável, com os seguintes acessórios: Cesta que é ideal para carregar alguns itens que nós mulheres sempre temos à mão.   Corrente protegida para não ficar toda marcada de graxa. Lenço no pescoço é essencial pois além de chique ainda protege o nosso lindo pescoço. Ter uma capa de chuva  na sua bike também é importante, principalmente em dias de chuva. Procure não utilizar mochilas, elas fazem com que você sue muito. Para utilizar salto alto no pedal é simples, você só precisa utilizar a parte da frente  do sapato, cuidados com saltos muito finos e muito altos pois podem enroscar no pedal, é muito simples pedalar de salto alto. As dicas que estou dando é para você deixar o medo e experimentar, se joga mesmo, depois você me conta lá no Vou de bike e salto alto. Já para as bicicletas de mountain  bike, elas devem ser mais leves e adequadas ao seu tamanho. Ou seja, para cada estilo de pedalada um tipo de bicicleta.
  1. Que mudanças você gostaria de ver na sua cidade para que a rotina dos ciclistas se tornasse mais tranquila e segura?Respeito mútuo entre as pessoas que ocupam as ruas. Não importa qual o seu meio de transporte, sua origem, de onde vem e para onde vai. Nós precisamos entender que existe espaço para todos e que as ruas não são propriedades particulares, todos temos direitos de ocupar todos os espaços.
Foto: Eliandro Oliveira

Foto: Eliandro Oliveira

Obrigada Viviane por compartilhar conosco sua história, você é um grade exemplo para todas nós!
E para quem quiser acompanhar a Viviane, esta é a página dela no Facebook: Vou de bike e Salto Alto, tem muita coisa bacana por lá, vale a curtida. 😉

 

*Revisão do texto: Isabela França

 

 

 

 

A Bela na Bike de Fevereiro

Hoje vamos trazer mais uma Bela na Bike pra mostrar pra vocês como é possível usar a bicicleta no dia-a-dia sem deixar o estilo de lado.

A nossa Bela na Bike de fevereiro é a Viviane Lenzi da Rocha, nos conhecemos nos pedais em grupos, um encanto de pessoa e super poderosa no pedal!

O esposo dela, o Julio Fernandes é organizador do Pedal de Quinta, que todas as quintas-feiras leva uma galera para pedalar por muitos locais maravilhosos da nossa Floripa e a Viviane o acompanha logicamente, além de usar a bicicleta pra ir ao trabalho e como ela mesma menciona pra quase tudo na vida.

Qual sua idade e profissão?

42 anos – Administradora

Qual o espaço que a bicicleta ocupa no seu estilo de vida? 

Todos os espaços… Hoje é meu meio de transporte, lazer e esporte.

Conte de forma breve, como a bicicleta conquistou espaço na sua rotina?

Tudo começou com a chegada de um novo amor… O Julio (hoje meu marido) me convenceu a comprar uma bicicleta para pedalarmos juntos, ele foi atleta durante anos e já pedalava muito. Eu era bem reticente, não tinha certeza de que ia gostar. Mas a medida que comecei a pedalar a paixão tomou conta e aos poucos fui trocando os passeios de carro por longas pedaladas nos fins de semana e logo troquei o stress de dirigir em Floripa pelo prazer em me deslocar ao trabalho.

Quais foram os benefícios que o uso frequente da bicicleta trouxe para você?

Sou uma pessoa que tem uma baita TPM e a atividade física sempre ajudou no equilibrio. Como sou um pouco gulosa, o uso da bicicleta me ajuda à  manter o peso e a forma.

Você costuma se preocupar com seu visual na hora de pedalar?

Não sou uma pessoa muito preocupada com o visual, tenho uma maior preocupação com o conforto, mas claro que como sou mulher, sempre tem uma vaidade rolando. Mas no trabalho tem dias que necessito de estar mais arrumada.

Quais suas maiores dificuldades na hora de se vestir para ir de bicicleta nas atividades de rotina?

Como sou uma pessoa mais “estabanada” não faço uso de vestido na bike, mas fora isso não tenho grandes dificuldades.

Quais as maiores dificuldades que você encontra no seu dia-a-dia de ciclista?

Acho que a principal dificuldade é a falta de respeito ao ciclista. Quando as pessoas entendem que o ciclista faz parte do trânsito tudo flui tranquilamente, mesmo sem ciclovias.

Você teria algum truque/dica para ensinar a mulheres que estão começando a pedalar agora?

Acho que uma boa dica é buscar pessoas que já pedalam pra ter uma companhia inicial, sejam nos grupos de pedal, no trabalho ou pedir ajuda de um  bike anjo. Também é interessante saber qual a altura do banco (selim) deve ser adequada para cada sapato. Muitas vezes a gente adequa a altura e depois usa um sapato com plataforma ou uma rasteirinha e acaba ficando com a perna muito dobrada ou muito esticada.

Que mudanças você gostaria de ver na sua cidade para que a rotina dos ciclistas se tornasse mais tranquila e segura?

Criação de mais ciclovias e educação dos motorista no trânsito para que todos convivam em harmonia.

IMG_9565 (1)

 

E aí gente, a Viviane é ou não uma inspiração?

Viviane, muuuito obrigada por contar um pouquinho da sua história! 😉

A Bela na Bike de dezembro

Olá meninas!

Nas semanas anteriores fomos atrás de mais mulheres que usam a bike no seu dia a dia. Montamos uma breve entrevista para elas com a intenção de inspirar vocês e mostrar que é possível sim mudar alguns hábitos, ter mais qualidade de vida e ainda assim manter seu estilo usando a bicicleta.

A primeira Bela na Bike que foi entrevistada foi a Alicia Alao (a leitora que nos mandou a dica da graxa, lembram?), conheçam um pouco dela e como é sua experiência como ciclista.

Alicia, qual sua idade e profissão?

33 anos, jornalista.

Qual o espaço que a bicicleta ocupa no seu estilo de vida? (Esporte, lazer, transporte)

Uso a bicicleta para tudo. Moro no Campeche e tudo é meio longe. Pra ir no mercado, no banco ou na academia, é 1 km, 2 km. De bike, é rapidinho. Faço passeios de bicicleta com frequência. Quando viajo, procuro incluir pelo menos um rolê de bike pra conhecer o local. Fica tudo mais interessante. Recentemente, incluí a bici no trajeto pro trabalho. Faz um ano que passei a ir de bike ao Terminal do Rio Tavares, dá uns 4km de ida. De lá, pegava 2 ônibus para o trabalho na SC-401. Agora, vou até a Trindade, uns 15km. Ainda não dá pra chegar direto no trabalho, pois são 22km com muitos morros no último trecho. Mas, quem sabe um dia? Então a bike faz parte do meu dia a dia.

Conte de forma breve, como a bicicleta conquistou espaço na sua rotina?

Sempre gostei de bike, desde criança. Usava pra ir à escola e fazer passeios off-road com amigos. Até que, por uns anos, minha mãe me proibiu de pedalar porque tinha medo de um acidente. Depois de adulta, retomei o hábito de pedalar. Meu marido comprou uma bicicleta há dois anos e passou a usá-la para o trabalho, o que me motivou a fazer o mesmo.

 Quais foram os benefícios que o uso frequente da bicicleta trouxe para você?

Troquei a irritação do trânsito pelo prazer de pedalar. Dou minha contribuição para tentar reduzir essa loucura diária que é o tráfego nas cidades. De quebra, faço uma atividade física. Nos passeios, a bike permite perceber o ambiente de forma mais tranquila, intensa e prazerosa. É só vantagem.

Você costuma se preocupar com seu visual na hora de pedalar?

De uns tempos pra cá, sim. Como passei a ir de bike pro trabalho, não dá pra chegar desarrumada. E acho importante não ter que me “fantasiar” de ciclista pra pedalar por aí. Acho que posso ser autêntica e pedalar, não são coisas excludentes. 

Quais suas maiores dificuldades na hora de se vestir para ir de bicicleta nas atividades de rotina?

A parte de baixo é sempre complicada. Tenho quadril largo e não uso muito short ou bermuda. Gosto de saias e vestidos, mas é um pouco difícil de encontrar no comprimento certo. Ainda não sei muito bem os tecidos e formatos amigáveis para bike. Não tenho hábito de comprar pela internet, e nas lojas físicas não é tão fácil encontrar. Mas nada que roupas confortáveis e soltas não resolvam. Abuso de vestidos e saias com bermuda de lycra por baixo.

Quais as maiores dificuldades que você encontra no seu dia-a-dia de ciclista?

Em primeiro lugar, a falta de respeito e a pressa de alguns motoristas. Em segundo, a ausência de ciclofaixa ou ciclovia em determinados trechos, e a falta de integração entre elas. Nos trechos em que pedalo nas ruas, às vezes o problema são as péssimas condições do asfalto, com buracos bem no lado direito da pista. Em terceiro, a falta de bons paraciclos e bicicletários. Aqueles de trancar pela roda são muito desconfortáveis e podem entortar o aro da bike. Em quarto, a falta de vestiários em locais públicos, como escritórios, terminais de ônibus, etc. Isso parece o mais difícil de conseguir, mas seria incrível. Importante dizer que todas essas dificuldades são contornáveis! Basta cuidado, criatividade e um certo planejamento.

Você teria algum truque/dica para ensinar a mulheres que estão começando a pedalar agora?

A dica é sempre pensar em segurança. Tem que se fazer visível, ocupar ⅓ da rua, usar lanternas e adesivos reflexivos. Espelhos retrovisores são bem úteis. Tenha coragem, pedalar nas ruas é menos perigoso do que parece. Mas é preciso seguir as regras de trânsito, não andar na contramão, evitar subir em calçadas, tentar se antecipar aos motoristas. E lembre-se: a sensação de liberdade, o vento no rosto e pedalar na ciclovia enquanto carros se espremem no congestionamento compensam tudo!

Que mudanças você gostaria de ver na sua cidade para que a rotina dos ciclistas se tornasse mais tranquila e segura?

Gostaria que as ciclovias fossem integradas. Muitas vezes uma ciclovia termina de repente e recomeça metros à frente do outro lado da rua, ou depois de um cruzamento perigoso. Isso não faz nenhum sentido. Também gostaria de bons bicicletários públicos, seguros, cobertos e com vestiário. Mesmo que tivesse de pagar, valeria a pena. Os motoristas profissionais, seja de ônibus, táxis ou qualquer outro, deveriam passar por um curso de atualização para aprenderem a respeitar o espaço dos ciclistas. Nas escolas, deveria ser ensinado às crianças as regras de trânsito e de segurança. São algumas sugestões que me vêm à cabeça agora.

 

 

 

alicia na bike

 

 

Alicia, muito obrigada pelo tempo dedicado a responder nossas perguntinhas, nós adoramos suas respostas! Temos certeza que vai ajudar e motivar muita gente a seguir seus passos.

Gostaram também meninas?

Beijinhos!